SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 número134Teoria de resposta ao item (TRI): Conceitos elementares dos modelos para itens dicotômicosAvaliação da qualidade de vida em adolescentes do Município de São Paulo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Boletim de Psicologia

versão impressa ISSN 0006-5943

Bol. psicol vol.61 no.134 São Paulo jun. 2011

 

ARTIGOS ORIGINAIS

 

As funções executivas na Figura Complexa de Rey: Relação entre planejamento e memória nas fases do teste

 

The executive functions in Rey Complex Figure: Correlation between planning and memory at phases of test

 

 

Vivian Lazzarotto Pereira da Cruz *; Plínio Marco de Toni; Daiani Martinho de Oliveira

Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil

 

 


RESUMO

A Figura Complexa de Rey é um teste neuropsicológico clássico, amplamente utilizado em diversos países, porém ainda com poucos estudos brasileiros associados às funções executivas. O objetivo desta pesquisa foi realizar um estudo de validação da Figura de Rey para capacidade de planejamento, bem como investigar a influência do planejamento na memória visual. A amostra foi composta por 149 participantes de ambos os sexos (54,9% feminino), com idades entre 9 e 16 anos (M=12,5 anos; DP=2,45 anos), de escolas públicas (58,4%) e particulares do município de Curitiba. Os resultados indicaram uma correlação positiva entre as fases de cópia e reprodução de memória (r=0,50; p<0,001), sugerindo uma correlação entre o planejamento da cópia e o desempenho de memória. Os subgrupos formados por indivíduos com planejamentos adequados e insuficientes na cópia da Figura de Rey demonstraram escores significativamente diferentes na reprodução de memória (t=3,15; gl=147; p=0,002), com pontuação superior para o subgrupo com bom planejamento na cópia.

Palavras-Chave: Figura de Rey, Lobo pré-frontal, Planejamento, Memória de trabalho.


ABSTRACT

The Rey-Osterrieth Complex Figure Test is a classical neuropsychological test widely used in several countries. However, there are little researches with Rey Figure and executive functions in Brazil. The aim of this research was to carry out a validation study of the Rey Figure for planning, as well as to investigate the influence of planning on visual memory. The sample consisted of 149 students of both genders (54.9% female), aged between 9 and 16 (M=12.5 years; SD=2.45 years), from public (58.4%) and private schools in the city of Curitiba. Results indicated a positive correlation between the copy and the memory reproduction stages of the Rey Figure (r=0.49; p<0.001), suggesting a correlation between planning of the copy and memory performance. The subgroups composed by individuals with adequate and insufficient planning in the copy of the Rey Figure presented significantly different scores in the memory reproduction (t=3.15; gl=147; p=0.002), with higher scores for the subgroup that demonstrated a good planning at the copy stage.

Keywords: Rey Complexe Figure, Prefrontal lobe, Planning, Working memory.


 

 

INTRODUÇÃO

A Figura Complexa de Rey é um dos testes neuropsicológicos mais clássicos e, ainda hoje, amplamente utilizado no campo da Neuropsicologia. A Figura Complexa de Rey pode ser utilizada para avaliar memória visual, habilidade viso-espacial e algumas funções de planejamento e execução de ações (Lezak, 1995; Oliveira, Rigoni, Andretta e Moraes, 2004).

O planejamento é considerado uma das mais importantes funções executivas (FE). O termo funções executivas é definido no dicionário da International Neuropsychological Society como "as habilidades cognitivas necessárias para realizar comportamentos complexos dirigidos para determinado objetivo e a capacidade adaptativa às diversas demandas e mudanças ambientais" (Loring, 1999, p. 64). O planejamento compreende a capacidade de traçar mentalmente um trajeto do ponto A ao ponto B, sem que o indivíduo precise de fato lançar-se ao mundo real (Souza, Ignácio, Cunha, Oliveira e Moll, 2000). Além do planejamento, outra função executiva relevante neste estudo é a memória operacional (ou memória de trabalho). A teoria da memória operacional foi descrita por Baddeley e Hitch em 1974. A memória operacional é definida como um sistema que visa a manutenção temporária e manipulação de informação durante o desempenho de uma série de tarefas cognitivas, como compreensão, aprendizagem e raciocínio (Baddeley, 2000).

O presente estudo tem como objetivo correlacionar a capacidade de planejamento, avaliada na fase de cópia do teste, considerando a classificação de Osterrieth (1945, citado em Rey, 1999) com o desempenho de memória correspondente à segunda fase do instrumento. A partir de estudos anteriores (Deckersbach, et al., 2000; Meyers e Meyers, 1995), que obtiveram resultados indicativos de que a organização na cópia da figura prediz fortemente a evocação da memória, toma-se como base a hipótese de que há uma correlação positiva entre a capacidade de planejar a figura durante a cópia e a capacidade de evocá-la posteriormente.

 

FIGURA COMPLEXA DE REY

O Teste das Figuras Complexas de Rey foi idealizado por André Rey em 1942 para auxiliar o "diagnóstico diferencial entre a debilidade mental constitucional e o déficit adquirido em conseqüência de traumatismo crânio-encefálico" (Rey, 1999, p. 9). Porém o estudo genético do instrumento foi feito em 1945, por Paul Osterrieth. As Figuras Complexas de Rey possuem duas formas. A forma "A" da figura é direcionada à avaliação de pessoas com idade entre 5 e 88. A forma "B" pode ser utilizada na avaliação de crianças pequenas, com idade entre 4 a 7 anos (Rey, 1999). O teste é composto por uma figura geométrica complexa e abstrata. O objetivo do autor foi desenvolver uma figura geométrica sem significação evidente, de realização gráfica fácil, e com uma estrutura de conjunto complicada com o objetivo de solicitar uma atividade perceptiva analítica e organizadora (Rey, 1999). Para Hamby (citado por Spreen e Strauss, 1998), as Figuras Complexas de Rey parecem ter uma estrutura organizacional mais complexa e não se permitem prontamente a uma estratégia verbal. Nesse sentido, segundo Rey (1999), o objetivo do teste é avaliar a atividade perceptiva e a memória visual, verificando o modo como o examinando apreende os dados perceptivos que lhe são apresentados e o que foi conservado espontaneamente pela memória.

A aplicação do teste apresenta duas partes. Inicialmente solicita-se que o paciente reproduza a cópia da figura, em uma folha branca na posição horizontal. Alguns autores preferem que o examinando utilize alternadamente lápis coloridos, durante a cópia, e que o examinador solicite a troca de lápis de acordo com a seqüência dos elementos copiados. O objetivo dessa troca de lápis é avaliar o desenvolvimento da estratégia de cópia do examinando (Jamus e Mader, 2005). Em seguida, o paciente terá que reproduzir de memória a figura copiada. O intervalo entre essas duas partes do processo de aplicação varia de acordo com o interesse de investigação do aplicador, porém não deve exceder 3 minutos (Rey, 1999). Na presente pesquisa, o intervalo utilizado foi de 30 segundos, pois o objetivo era investigar a memória de curto prazo.

A figura compõe-se de 18 itens, os quais juntos formam o todo da figura, sendo pontuada de 0 a 36 pontos, que variam de acordo com a precisão e o bom posicionamento de cada item da figura tanto na memória quanto na cópia (Rey, 1999). Além da análise quantitativa, alguns autores realizaram análises qualitativas do teste e estas análises se difundiram no campo da Neuropsicologia. Em uma pesquisa realizada no site de busca Bireme, foram encontradas 10 referências que relatam análises qualitativas para a correção da figura (Galindo, Cortés e Salvador, 1996; Jamus e Mader, 2005).

Osterrieth (1945, citado em Rey, 1999) desenvolveu a primeira análise qualitativa da cópia da figura, analisando os métodos utilizados pelos examinandos para desenhar e os erros que eles cometiam na cópia da figura. Considerando hábitos intelectuais, rapidez da cópia e precisão dos resultados, Osterrieth identificou sete procedimentos diferentes ao copiar a figura: 1. iniciar o desenho a partir do retângulo principal e depois adicionar os detalhes; 2. começar com um detalhe ligado ao retângulo principal, ou fazer o retângulo incluindo nele outro detalhe e depois terminar o retângulo; 3. começar com o contorno geral da figura sem diferenciar os detalhes do retângulo principal; 4. realizar justaposição de detalhes um a um, sem estrutura organizada; 5. copiar partes discretas da figura sem organização; 6. associar a figura com um esquema familiar, como barco, casa; 7. o desenho é uma garatuja, onde não se consegue reconhecer os elementos da figura. A análise qualitativa descrita por Osterrieth avalia a maneira como o indivíduo planeja a construção da figura. Alguns estudos (Deckersbach et al., 2000; Meyers e Meyers, 1995), relatam que há uma significativa relação entre a maneira como o indivíduo planeja a construção da figura e o seu potencial para evocá-la posteriormente. Oliveira, Rigoni, Andretta e Moraes (2004) afirmam, a respeito da Figura Complexa de Rey, que a evocação da memória é melhor desempenhada, quando a cópia da figura é realizada de forma organizada.

Analisando os resultados de uma busca de artigos disponíveis no indexador Bireme foram encontrados 193 artigos sobre a Figura Complexa de Rey. Constatou-se que o teste é utilizado em vários países. O maior número de publicações concentra-se nos EUA, onde foram localizados 88 artigos. Os outros 105 artigos foram encontrados em diversos países tais como Canadá, Espanha, Austrália, entre outros (Jamus e Mader, 2005).

No Brasil, o estudo de padronização mais recente foi realizado por Oliveira e Rigoni (2010), recebendo o parecer favorável do Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos do Conselho Federal de Psicologia. No estudo de padronização no Brasil a figura A do teste apresentou consistência interna (alfa de Cronbach) estimado em 0,897, na cópia e 0,831 na memória. No teste-reteste com intervalo de 30 dias, apresentou um coeficiente de fidedignidade de 0,441 (p< 0,001) para cópia e de 0,415 (p<0,001) para memória. Para a validade de conteúdo a figura foi avaliada por dois juízes e foi obtida correlação significativa para todos os itens da cópia e da memória. Para a validade convergente foram utilizados os subtestes Dígitos e Aritmética da Escala Wechsler de Inteligência. Quanto à cópia da figura A, a correlação com o subteste Aritmética foi 0,371 (p< 0,001), e com o subteste Dígitos foi 0,382 (p< 0,001). Quanto à memória, a figura apresentou correlação de 0,331 (p<0,001) com o subteste Aritmética e 0,242 (p= 0,020) com Dígitos (Oliveira, e Rigoni, 2010).

O Teste das Figuras Complexas de Rey pode ser utilizado na avaliação de pacientes com lesão cerebral. Lezak (1995) cita alguns dados obtidos sobre os diferentes resultados alcançados por pacientes com lesão no hemisfério esquerdo e direito. Fernando, Chard, Butcher e Mckay (2003) afirmam que as Figuras de Rey podem demonstrar quando há algum tipo de lesão no lado direito do cérebro e é sensível a alguns tipos de danos cerebrais, como disfunções no lobo temporal. Jamus e Mader (2005) ressaltam que pacientes com lesões no hemisfério esquerdo tendem a mostrar preservada a memória da estrutura global da figura, porém com simplificação e perda de detalhes. Já os pacientes com lesões no hemisfério direito e que apresentam dificuldades na cópia da figura, mostram problemas ainda maiores na recordação da figura, perdendo muitos elementos do desenho e fazendo reproduções crescentemente empobrecidas da figura original, quando vão da tarefa de recordação imediata à tardia. Evert e Oscar-Berman (1997) afirmam que pacientes com o hemisfério direito lesado, que apresentam dificuldades ao copiar a figura, revelam problemas ainda maiores com a memória.

No Brasil, a Figura de Rey tem sido utilizada como instrumento em várias pesquisas. Nesse sentido, salienta-se um estudo cujo objetivo foi verificar possíveis alterações de percepção visual e memória imediata em 152 participantes do sexo masculino com o diagnóstico de alcoolismo. A investigação da memória dos participantes ocorreu em dois momentos, com uma primeira aplicação do teste e, passado um intervalo de 3 meses, em que os participantes mantiveram-se sem ingerir álcool, ou pelo menos ingerindo em proporções menores, realizava-se novamente a aplicação. O estudo mostrou que após os três meses os participantes apresentaram melhora significativa de memória (Oliveira, Laranjeira e Jaerger, 2002). Outro estudo realizado no México com as Figuras Complexas de Rey em adolescentes usuários de droga constatou déficits da memória visual e a análise qualitativa permitiu determinar que as alterações mais significativas estavam relacionadas à coordenação motora fina e integração perceptiva da figura, tanto em termos visuais, quanto espaciais. Concluiu-se também, através desse estudo, que a Figura de Rey pode ser uma ferramenta importante de avaliação dos aspectos cognitivos, auxiliando em programas de intervenção (Lara, Galindo e Romero, 2003).

 

FUNÇÕES EXECUTIVAS

As funções executivas (FEs) são formas de cognição superiores que regulam o comportamento humano e permitem ao indivíduo interagir com o mundo de forma intencional. O termo cognição define-se como conjunto de atividades mentais que envolvem aquisição, armazenamento, retenção e uso do conhecimento (Caffarra, Vezzadini, Dieci, Zonato e Venneri, 2002). Atualmente existem algumas dificuldades com relação à variedade de terminologia das FEs. Há diversos sinônimos encontrados na literatura, como funções frontais, funções de supervisão, funções de controle, sistema supervisor, desempenho executivo entre outros (Andrade, Santos e Bueno, 2004).

A expressão "desempenho executivo" refere-se à habilidade de manter um conjunto de estratégias de resolução de problemas dirigidos para alvos futuros. Tal conjunto envolve habilidades cognitivas como a capacidade de inibir uma resposta para emiti-la em momento mais apropriado, a formulação de um plano de ação estratégico de seqüência de ações que se baseia em experiências prévias e demandas do ambiente atual e uma representação mental da tarefa. Tal definição concebe funções executivas como um conceito neuropsicológico utilizado para designar uma ampla variedade de funções cognitivas que implicam: seletividade de estímulos, concentração, capacidade de abstração, flexibilidade cognitiva, fluência, controle inibitório, categorização, autocontrole, memória de reconhecimento e de ordem temporal, memória operacional e habilidades de planejar (Gazzaniga, Ivry e Mangun, 2002; Hamdan e Bueno, 2005; Lezak, 1995; Souza et al., 2001). O presente estudo se refere a duas dessas funções: memória operacional e planejamento.

A memória operacional ou de trabalho é uma importante função executiva. O modelo de memória operacional foi desenvolvido por Baddeley e Hitch em 1974 com o objetivo de compreender e substituir o conceito de memória de curto prazo (Andrade, Santos e Bueno, 2004). A memória operacional é responsável pelo armazenamento de curto prazo e pela manipulação on-line das informações necessárias para as funções superiores, como linguagem, planejamento e solução de problemas (Cohen et al., 1997).

Segundo Baddeley (1992) a memória operacional é formada através da interação dos seguintes componentes: executiva central, buffer episódico, alça fonológica e esboço viso-espacial. O componente denominado executiva central é considerado o mais importante da memória operacional. A executiva central tem a finalidade de controlar a atenção e é supostamente responsável pelo processamento de tarefas cognitivas. O buffer episódico provê o armazenamento temporário de informações contidas num código multimodal e é capaz de juntar informação proveniente dos sistemas subsidiários e da memória de longo prazo, numa representação episódica unitária. O buffer episódico foi incluído no modelo de memória operacional para explicar os achados científicos que indicavam que as informação fonológicas e viso-espaciais são combinadas de alguma maneira (Baddeley, 2000; Baddeley, Anderson e Eysenck, 2011).

Os outros componentes da memória operacional são específicos para diferentes modalidades de estímulo e são subordinados ao componente executiva central. A alça fonológica codifica as informações fonéticas e as mantém por curto prazo, reciclando-as através de um subcomponente - a alça articulatória. As informações contidas na alça fonológica perdem-se em poucos segundos, a menos que a alça articulatória as mantenha através da reverberação, que é a repetição subvocal ou em voz alta. O mecanismo de reverberação ou recitação ajuda a manter a informação armazenada, além de recodificar em termos verbais o material apresentado visualmente (Brandimonte e Gerbino, 1996 citado em Lopes, Lopes e Galera, 2005). A alça fonológica é limitada temporalmente, podendo conter tantos itens quantos puderem ser recitados no intervalo de 1,5 a 2 segundos (Baddeley, Anderson e Eysenck, 2011). O esboço viso-espacial é responsável por codificar armazenar e manipular a informação visual e/ou espacial. Ele pode ser considerado como uma interface entre a informação visual e a informação espacial, informações estas que podem ser acessadas via órgãos de sentido ou via memória de longo prazo (Baddeley, 2000). Embora os estudos sobre o esboço viso-espacial tenham aumentado de forma considerável nos últimos anos, ainda permanecem abertas muitas questões (Baddeley, Anderson e Eysenck, 2011).

Apesar de a memória operacional ser apresentada como uma das mais importantes funções executivas (Andrade, Santos e Bueno, 2004; Malloy-Diniz, Sedo, Fuentes e Leite, 2008), é interessante ressaltar que nem todos os autores consideram a memória operacional como função executiva. Por exemplo, Dennis e Goldman-Rakic (1991; 1987, citado em Bosa, 2001) observaram que existem controvérsias referentes à questão da inclusão de habilidades de memória de trabalho e processos inibitórios no conceito de função executiva. Segundo Malloy-Diniz et al. (2008) existem várias provas neuropsicológicas utilizadas para avaliar a memória operacional. Um primeiro exemplo é a prova de repetição de dígitos, que pode ser encontrada, por exemplo, nas escalas Wechsler de inteligência, em que o sujeito deve repetir seqüências crescentes de algarismos. Há também uma prova denominada Paced Auditory Serial Addition Test (PASAT), em que são apresentadas séries aleatórias de 61 dígitos por meio de um audio-tape, sendo que a tarefa consiste em somar o último algarismo ouvido aos algarismos precedentes. Outra prova que também fornece medidas do funcionamento da memória operacional, mais especificamente viso-espacial, é a prova dos blocos de Corsi, na qual é apresentada ao sujeito uma base de madeira contendo nove cubos do mesmo tamanho, dispostos aleatoriamente. Cada cubo recebe um número, que fica virado para o examinador, fora do alcance visual do probando. O examinador aponta os cubos numa seqüência pré-determinada e o examinando deve apontar para os mesmos cubos que o examinador apontou. O número de cubos apontados aumenta no decorrer da aplicação. Após essa tarefa é pedido que aponte os cubos na ordem inversa da que o examinador apontou.

Do ponto de vista anatômico, a memória operacional conta com a importante atuação dos lobos frontais interagindo com outras regiões cerebrais. Os lobos parietais participam da atenção espacial e do armazenamento fonológico (Gazzaniga, Irvy e Mangun, 2002). Há evidências obtidas através de neuroimagem em pessoas sadias (Smith, Jonides, Koeppe e Marshuetz, 1998) e pacientes com lesões (Shallice e Vallar, 1990), de que a alça fonológica situa-se no lobo parietal inferior esquerdo, enquanto a área de Broca é crucial para o sistema de reverberação verbal.

O planejamento é uma das funções executivas mais importantes, pois constitui um dos alicerces dos comportamentos complexos. Segundo Malloy-Diniz et al. (2008, p. 195), "o planejamento consiste na capacidade de, a partir de um objetivo definido, estabelecer a melhor maneira de alcançá-lo levando em consideração a hierarquização de passos e a utilização de instrumentos necessários para a conquista da meta". A avaliação da capacidade de planejamento tem sido tradicionalmente feita por alguns instrumentos, como a Torre de Hanói ou a Torre de Londres, que é uma versão adaptada e simplificada da Torre de Hanói, desenvolvida por Shallice e McCarthy, como um procedimento para identificar distúrbios nos processos de planejamento relacionados a alterações nos lobos frontais (Lezak, 1995).

O Teste da Torre de Hanói consiste numa base de madeira com três hastes do mesmo tamanho, onde estão dispostas peças de madeira de diferentes tamanhos. A prova consiste em mover as peças de um pino para o outro, obedecendo as seguintes regras: movimentar uma peça de cada vez; nenhuma peça pode ficar abaixo de peça maior que ela; as peças só podem se mover de um pino a outro, não podendo permanecer na mão do examinando, enquanto ele movimenta outra peça. O examinando deve realizar as tarefas com a menor quantidade possível de movimentos, sendo proporcionadas ao examinando três chances para resolver cada item (Malloy-Diniz et al., 2008). Segundo Oliveira et al. (2004), o desempenho anormal no teste da Torre de Londres está associada à lesão pré-frontal esquerda ou bilateral.

O Teste de Labirintos também pode ser utilizado para investigar a habilidade de planejamento. Dentre os mais utilizados testes de labirintos estão os Labirintos de Porteus (Porteus, 1965) e o subteste Labirintos do WISC-III (Malloy-Diniz et al., 2008; Spreen e Strauss, 1998).

Kristensen (2006, citado em Banhato e Nascimento, 2007) salienta os problemas encontrados para a mensuração das funções executivas. Dentre eles, relata a dificuldade de trabalhar com tarefas complexas, possibilitando um desempenho baixo por parte do examinando, independentemente de prejuízos executivos. Além disso, o contrário também pode ser observado. Em razão das condições de testagem altamente estruturadas, indivíduos com prejuízos nas funções executivas podem atingir bom desempenho. Ressalta também o fato de que muitos dos testes atualmente utilizados para a avaliação das funções executivas não foram desenvolvidos para essa finalidade. Existe ainda uma carência de normas apropriadas, principalmente para a população geriátrica, impossibilitando conclusões clínicas precisas. Alguns dados normativos para essa faixa etária já são encontrados na língua inglesa, no entanto estes estudos ainda são raros no Brasil.

Do ponto de vista anatômico, Luria (1981, p.171) afirma que as funções executivas se relacionam prioritariamente à habilidade no planejamento de estratégias de resolução de problemas para a execução de metas, mediada pelo córtex frontal:

Os lobos frontais que possuem um papel tão importante na regulação do tono cortical ótimo constituem, portanto um aparelho com a função de formar planos e intenções estáveis capazes de controlar o comportamento consciente subseqüente do indivíduo. Observações em pacientes com lesões suficientemente grandes dos lobos frontais fornecem clara evidência desse papel.

Magila e Caramelli (2000, citado em Argimon, Bicca, Timm e Vivan, 2006), afirmam que, anatomicamente, a porção pré-frontal do lobo frontal é a responsável pelas funções executivas, as quais compreendem a formulação de objetivos e conceitos, motivação, planejamento, auto-regulação, insight, abstração, análise, manipulação de conhecimentos adquiridos e flexibilidade mental. Os correlatos neuroanatômicos destas funções apontam para uma dificuldade, pois os lobos frontais constituem uma vasta área cerebral. Dada a variedade de habilidades afetadas nos pacientes, parece improvável que os lobos frontais executem uma única função cognitiva. Há uma complexidade hierárquica nos lobos frontais, o que justifica a cautela quanto à associação de aspectos funcionais e neuroanatômicos. Outra questão é que danos em diversas estruturas podem causar alterações cognitivas e de comportamento, parecidas com as alterações vistas em pacientes com lesão do lobo frontal. Apesar de outras áreas cerebrais também serem de algum modo responsáveis por essas funções executivas, a região mais responsável por tais funções é o córtex pré-frontal lateral (Andrade, Santos e Bueno, 2004).

Carlyle Jacobsen, na década de 30, realizou um experimento removendo a área de associação pré-frontal de dois macacos e estudou o comportamento deles usando uma variedade de tarefas que envolviam aquisição demorada. Dessa maneira, demonstrou que a área de associação pré-frontal está relacionada com a memória e planejamento de ações motoras (Kandel, Schwartz e Jessel, 2003).

 

MÉTODO

Participantes

Após seleção por conveniência, a amostra da presente pesquisa foi composta por 149 participantes com idade entre 9 e 16 (M=12,5 anos; DP= 2,5 anos), dos quais 54,9% do sexo feminino, matriculados em escolas públicas (58,38%) e particulares do município de Curitiba. A Tabela 1 descreve a distribuição de freqüência dos participantes por faixa etária.

Tabela 1. Distribuição dos participantes por idade (M=12,5 anos; DP= 2,5 anos)

 

 

Instrumento

Com o objetivo de medir as funções de planejamento e memória visual foram utilizadas respectivamente as fases de Cópia e Reprodução de Memória da Figura Complexa de Rey - Forma A (Rey, 1999). Na presente pesquisa foi utilizado o procedimento de alternar lápis coloridos durante a reprodução da cópia, com a troca de lápis de acordo com a seqüência dos elementos copiados. Em seguida o examinando reproduz de memória a figura copiada (Rey, 1999). O intervalo entre as duas partes do teste foi de 30 segundos para mensurar a memória de curto prazo. Considerou-se a pontuação bruta das duas fases do teste para efeitos de análise.

Procedimento

Após a obtenção do termo de consentimento livre e informado dos participantes da pesquisa, o Teste da Figura Complexa de Rey (Rey, 1999) foi aplicado individualmente em toda a amostra, em ambiente escolar. Após a aplicação do instrumento, a amostra foi dividida em dois subgrupos, de acordo com o nível de planejamento observado na fase de cópia do teste: subgrupo A (tipos de cópia 1, 2 e 3 – desempenho adequado de planejamento) e subgrupo B (tipos de cópia 4, 5, 6 e 7 – desempenho insuficiente de planejamento), conforme classificação de Osterrieth (1945, citado em Rey, 1999).

Análise dos dados

A partir dos desempenhos dos participantes na cópia e reprodução de memória da Figura de Rey foram calculadas as correlações de Spearman, considerando α=0,05. Além disso, o desempenho dos participantes na fase de reprodução de memória foi comparado com o desempenho dos mesmos na fase de cópia da Figura de Rey por meio de um gráfico de intervalo de confiança da média.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O termo "função executiva" tem sido usado para se referir a um sistema multi-operacional mediado pelas áreas pré-frontais do cérebro (Ardila, Pineda e Rosseli, 1999). As funções executivas são atividades cognitivas superiores que auxiliam no alcance de objetivos futuros, referem-se às habilidades envolvidas no planejamento, iniciação, seguimento e monitoramento de comportamentos complexos dirigidos a um fim, e visam o controle e a regulação do processamento de informação no cérebro. Sendo assim essas funções compreendem habilidades necessárias para a solução de problemas, como planejamento, memória operacional, inibição e auto-regulação do comportamento. (Gazzaniga, Irvy e Mangun, 2002; Malloy-Diniz et al., 2008). Segundo Gazzaniga, Irvy e Mangun (2002) existem três componentes essenciais para executar um plano de ação. Primeiro deve-se identificar o objetivo e desenvolver metas específicas, depois as conseqüências dos objetivos devem ser previstas e avaliadas e finalmente deve-se determinar o que é necessário para atingir os objetivos específicos.

De acordo com Fernando et al. (2003), o Teste da Figura Complexa de Rey pode ser utilizado para investigar a memória visual, as habilidades viso-espaciais, bem como algumas funções de planejamento e execução de ações. Considerando isto, o objetivo principal desta pesquisa foi comparar a qualidade de planejamento da Figura de Rey durante a cópia, baseando-se na classificação de Osterrieth (1945), com o desempenho na segunda etapa do teste referente à memória viso-espacial (Rey, 1999). Dos 149 participantes, 43% demonstraram cópias bem planejadas no teste. Os resultados apresentados na Figura 1 demonstram os desempenhos de memória dos subgrupos com níveis de planejamento adequado e insuficiente no teste. Como observado, verificou-se uma diferença significativa nos desempenhos de memória entre os subgrupos (t=3,15; gl=147; p=0,002), com pontuação superior para o subgrupo com bom planejamento na cópia do teste.

 

 

Figura 1. Desempenho de memória dos subgrupos com planejamento adequado e insuficiente na cópia da Figura de Rey (t=3,15; gl=147; p=0,002)

Para discutir o desempenho de memória dos participantes desta pesquisa utilizou-se o modelo de memória de trabalho ou memória operacional, desenvolvido por Baddeley (1992). A memória de trabalho consiste num sistema temporário de armazenamento de informações que permite a sua monitoração e o seu manejo. Esta memória é considerada um componente das funções executivas (Malloy-Diniz, et al., 2008). Este modelo de memória, descrito por Baddeley (1992), é composto por alguns subsistemas: executiva central, alça fonológica, esboço vísuo-espacial e buffer episódico, sendo que este último foi descrito posteriormente por Baddeley em 2000. Dentre esses subsistemas os mais relevantes no presente estudo são: executiva central e esboço viso-espacial. Segundo Baddeley (1986, citado em Oliveira, 2007) a executiva central contribui com mecanismos que evitam o decaimento da informação, aumentando a capacidade da memória de trabalho e atuando no recrutamento e gerenciamento de outros sistemas durante a execução de tarefas cognitivas. Sendo assim, os outros subsistemas são gerenciados pelo executiva central. O esboço viso-espacial é especializado na armazenagem temporária de informação visual e espacial e é subordinado pela executiva central (Oliveira, 2007). Ou seja, o esboço viso-espacial é uma memória viso-espacial de curto prazo, que só é considerada função executiva, quando subordinada ao executivo central.

Com base no modelo de memória operacional, pode-se dizer que o objetivo dessa pesquisa foi avaliar até que ponto o esboço viso-espacial está subordinado ao executivo central durante a fase de memória do teste da Figura Complexa de Rey. Os resultados indicam que o esboço viso-espacial está subordinado ao executivo central na medida em que os participantes que planejaram suficientemente bem suas cópias da figura tiveram maior facilidade para recordá-la. Além da diferença ilustrada na Figura 1 com relação ao desempenho de memória observada entre os subgrupos, a Figura 2 apresenta uma análise gráfica da correlação entre as fases de cópia e reprodução de memória da Figura de Rey.

 

 

Figura 2. Correlação entre as fases de cópia de reprodução de memória da Figura Complexa de Rey (r=0,50; p<0,001)

Como verificado, encontrou-se uma correlação positiva e significativa entre as fases do teste (r=0,50; p<0,001), de modo que os resultados do presente estudo são compatíveis com outros estudos (Oliveira et al., 2004; Deckersbach et al., 2000; Meyers e Meyers, 1995) que afirmam que a organização na cópia da figura está relacionada à habilidade para recordá-la posteriormente. A correlação positiva entre o planejamento da cópia e a memória pode ser um indicador da sensibilidade da Figura Complexa de Rey para a investigação das funções executivas de planejamento e memória operacional. Embora o teste ainda não esteja validado para funções executivas, alguns autores afirmam que o desempenho na cópia da figura relaciona-se com a habilidade de planejamento (Gil, 2005; Lezak, 1995). Watanabe et al. (2005) investigaram esta questão em crianças com diversas doenças neurológicas. O estudo indicou uma correlação significativa entre o desempenho na Figura Complexa de Rey e o desempenho em testes utilizados na investigação de funções executivas, como o Wisconsin Card Sorting Test e os subtestes Labirintos, Dígitos e Cubos do WISC-III.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As funções executivas e seu relacionamento com as áreas pré-frontais do cérebro atualmente estão entre as principais áreas de investigação no campo da Neuropsicologia. No entanto, a existência de poucos instrumentos nacionais para a medida das diversas funções executivas, como o planejamento, dificultam o processo de avaliação neuropsicológica de pacientes com suspeitas de comprometimento nesta área.

Considerando isto, a presente pesquisa indicou uma correlação positiva entre o planejamento da cópia da figura e a capacidade para recordá-la posteriormente. Nesse sentido, sugere-se novas pesquisas sobre relações entre o desempenho de planejamento e a memória no Teste da Figura Complexa de Rey de pacientes com déficit de memória e/ou déficit de planejamento. Sugere-se também pesquisas de validação da análise qualitativa da cópia da Figura de Rey para planejamento. Uma das questões importantes se refere ao desempenho de cópia na Figura Complexa de Rey de pacientes com comprometimento pré-frontal, bem como as relações entre o desempenho na Figura de Rey e instrumentos utilizados para avaliação do planejamento, como a Torre de Londres.

 

REFERÊNCIAS

Andrade, V.M.; Santos, F.H. & Bueno, O.F.A. (2004). Neuropsicologia hoje. (pp. 125-163). Porto Alegre: Artes Médicas.

Ardila, A.; Pineda, D. & Rosseli, M. (1999). Correlation between intelligence test scores and executive function measures. Archives of Clinical Neuropsychology, 15 (1), 31-36.

Argimon, I.I.L.; Bicca, M.; Timm, L.A. & Vivan, A. (2006). Funções executivas e avaliação de flexibilidade de pensamento em idosos. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 3 (2), 35-42.

Baddeley, A. D. (1992). Working memory: The interface between memory and cognition. Journal of Cognitive Neuroscience, 4 (3), 281-288.

Baddeley, A.D. (2000). The episodic buffer: A new component of working memory? Trends in Cognitive Sciences, 4 (11), 417-423.

Baddeley A.D.; Anderson, M.C.& Eysenck, M. W. (2011) Memória. (C. Stolting, trad.) Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 2009) .

Banhato, E.F.C. & Nascimento, E. (2007). Função executiva em idosos: Um estudo utilizando um subteste da Escala WAIS–III. Psico USF, 12 (1), 65-73.

Bosa, C.A. (2001). As relações entre autismo, comportamento social e função executiva. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14 (2) 281-287.

Caffarra, P.; Vezzadini, G.; Dieci, F.; Zonato, F. & Venneri, A. (2002). Rey-Osterrieth Complex Figure: Normative values in an Italian population sample. Neurological Sciences. 22 (6), 443-447.

Cohen, J.D.; Perlstein, W.M.; Braver, T.S.; Nystrom, L.E.; Noll, D.C.; Jonides, J. & Smith, E.E. (1997). Temporal dynamics of brain activation during a working memory task. Nature, 38, (6625), 604-608.

Deckersbach, T.; Savage, C.R.; Henin, A.; Mataix, C.D.; Otto, M.W.; Wilhelm, S.; Rauch, S.L.; Bauer, L. & Jenike, M.A. (2000). Reliability and validity on a scoring system for measuring organizational approach in the Complex Figure Test. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, 22 (5), 640-648.

Evert, D.L. & Oscar-Berman, M. (1995). Alcohol - Related Cognitive Impairments: An overview of how alcoholism may affect the workings of the brain. Alcohol, Health and Research World, 19 (2), 89-96.

Fernando, K.; Chard, L.; Butcher, M. & McKay, C. (2003). Standardization of the Rey Complex Figure Test in New Zealand children and adolescents. New Zealand Journal of Psychology, 32 (1), 33-38.

Galindo, V.; Cortés, S. & Salvador, J. (1996). Diseño de um novo procedimiento para calificar la prueba de la Figura Complexa de Rey: Confiabilidad interevaluadores. Salud Mental, 19 (2), 1-6.

Gazzaniga, M.S.; Irvy, R. B.& Mangun, G. R. (2002). Neurociência cognitiva: A Biologia da mente. Porto Alegre: Editora Artmed.

Gil, R. (2005). Neuropsicologia. São Paulo: Santos.

Handam, A.C. & Bueno, F.A.B. (2005). Relações entre controle executivo e memória episódica verbal no comprometimento cognitivo leve e na demência de Alzheimer. Estudos de Psicologia, 10 (1), 267-271.

Jamus, D. R. & Mãder, M. J. (2005). A Figura Complexa de Rey e seu papel na avaliação neuropsicológica. Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology, 11 (4), 193-198.

Kandel, E.R.; Schwartz, J.H. & Jessel, T.M.J. (2003). Princípios de Neurociências. São Paulo: Editora Manole.

Lara, M.A.; Galindo, G..; Romero, M.; Salvador, J. & Dominguez, M. (2003). La Figura Compleja de Rey en adolescentes que consumen disolventes inhalables. Salud Mental, 26 (6), 17-26.

Lezak M.D. (1995). Neuropsychological Asssessment. Oxford: Oxford University Press.

Lopes, E.J.; Lopes, R.F.F. & Galera, C.A. (2005). Memória de trabalho viso-espacial em crianças de 7 a 12 anos. Estudos de Psicologia, 10 (2), 207-214.

Loring, D.W. (Ed.) (1999). INS dictionary of Neuropsychology. New York: Oxford University Press.

Luria, A.R. (1981). Fundamentos de Neuropsicologia. São Paulo, SP: Edusp.

Malloy-Diniz, L.F.; Sedo, M.; Fuentes, D. & Leite, W.B. (2008). Neuropsicologia das funções executivas. In: D. Fuentes, L. F. Malloy-Diniz, C. H. P. Camargo, R. M. Cosenza & col., Neuropsicologia: Teoria e prática. (pp. 187-206). Porto Alegre: Artmed.

Meyers, J. & Meyers, K. (1995). Rey Complex Figure Test under four different administration procedures. Clinical Neuropsychologist, 9 (1), 63-67.

Oliveira, M.S., Laranjeira, R., Jaerger, A. (2002). Estudos dos prejuízos cognitivos na dependência do álcool. Psicologia, Saúde & Doença, 3 (2), 205-212.

Oliveira, M.S.; Rigoni M.S.; Andretta I. & Moraes, J.F. (2004). Validação do Teste Figuras Complexas de Rey na população brasileira. Avaliação Psicológica, 3 (1), 33-38.

Oliveira, M.S.: Rigoni, M.S. (2010). Figuras Complexas de Rey: Teste de Cópia e de Reprodução de Memória de Figuras Geométricas Complexas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Oliveira, R.M. (2007). O conceito de executivo central e suas origens. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23 (4), 399-406.

Rey, A. (1999). Figuras Complexas de Rey: Teste de Cópia e de Reprodução de Memória de Figuras Geométricas Complexas. (M. S. Oliveira, trad.) São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (Original publicado em 1959) .

Shallice, T. & Vallar, G. (1990). Neuropsychological impairments of short-term memory. New York: Cambridge University Press.

Smith, E.E.; Jonides, J.; Koeppe, R.A. & Marshuetz, C. (1998). Components of verbal working memory: Evidence from neuroimaging. Proceedings of the National Academy of Sciences, 95 (3), 876-882.

Souza, R.O.; Ignácio, F.A.; Cunha, F.C.R.; Oliveira D.L.G. & Moll, J. (2001). Contribuição à Neuropsicologia do comportamento executivo: Torre de Londres e Teste de Wisconsin em indivíduos normais. Arquivos de Neuro-psiquiatria, 59 (3), 526-531.

Spreen, O. & Strauss, E. (1998). A compendium of neuropsychological tests. New York: Oxford University Press.

Watanabe, K.; Ogino, T.; Nakano, K.; Hattori, J.; Kado, Y.; Sanada, S. & Ohtsuka, Y. (2005). The Rey-Osterrieth Complex Figure as a measure of executive function in childhood. Brain Developmental, 27 (8), 564-569.

 

 

Recebido em 05/07/10
Revisto em 09/05/11
Aceito em 12/05/11

 

 

* Endereço para correspondência: Rua Adir Pedroso, 777, Ap. 47 Bl. 1, Vila Iná. São José dos Pinhais - PR. CEP: 83.065-110. Fone: 8844-3249; Fax: 3385-1351; E-mail: vivianlpsico@gmail.com.