SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número4O diálogo transicional na psicanálise de crianças: implicações clínicas de uma redescrição conceitualOs sonhos sobre os estados de si e a restauração do self índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Psicanálise

versão impressa ISSN 0486-641X

Rev. bras. psicanál vol.44 no.4 São Paulo  2010

 

ARTIGOS

 

De uma nota só à melodia: considerações sobre a clínica psicanalítica da Síndrome de Asperger1

 

Desde una sola nota hasta la melodía: consideraciones acerca de la clínica psicoanalítica de la síndrome de Asperger

 

From a single note to a melody: Considerations on the psychoanalytic clinic of Asperger Syndrome

 

 

Marly Terra Verdi2

Endereço para Correspondência

 

 


RESUMO

Este trabalho aborda questões da repetição e da rigidez como contraponto para a flexibilidade possibilitada pela ampliação da capacidade simbólica. Descrevo aspectos do trabalho clínico com um paciente com Síndrome de Asperger, buscando abordar os temas de seu interesse e suas intermináveis repetições, o início de suas brincadeiras simbólicas e o desenvolvimento de seus jogos mais significativos. Discuto suas constantes repetições como temas de uma nota só, apesar da música ser seu maior interesse e capacidade, e também aspectos da transferência intensa vivida na relação com este paciente. Para concluir, analiso os aspectos técnicos desse trabalho procurando distinguir as principais implicações metapsicológicas que essa clínica suscita.

Palavras-chave: clínica psicanalítica; Síndrome de Asperger; Autismo; contratransferência; metapsicologia.


RESUMEN

Ese trabajo discute algunas cuestiones de repetición y rigidez como contrapartida a la flexibilidad hecha posible por la ampliación de la capacidad simbólica. Describo aspectos del trabajo clínico con un paciente con Síndrome de Asperger, buscando descubrir los temas de su interés y sus interminables repeticiones, el inicio de sus juegos simbólicos y el desarrollo de sus juegos más significativos. Discuto sus constantes repeticiones como temas de una sola nota, a pesar de que la música fue siempre su mayor interés y para la cual tuvo mayor aptitud, y también aspectos de la intensa transferencia vivida en relación con ese paciente. Para concluir, analizo los aspectos técnicos de ese trabajo, intentando distinguir las principales implicaciones metapsicológicas que esa clínica despierta.

Palabras clave: clinica psicoanalítica; síndrome de Asperger; autismo; contratransferencia; metapsicologia.


ABSTRACT

This paper discusses the issues of repetition and rigidity as counterpoints to the flexibility allowed by the widening of the symbolic capacity. I describe some aspects of the clinic of a patient with Asperger Syndrome, aiming to find themes of his interest, as well as his uncountable repetitions, the beginning of his symbolic play and the development of his most meaningful play. I discuss his constant repetitions as themes of a single note, though music is his greatest interest and ability, and also some aspects of the intense transference experienced in the relationship with this patient. To conclude, I analyze the technical aspects of this work, attempting to distinguish the main meta-psychological implications brought by this clinic.

Keywords: Psychoanalytical clinic; Asperger syndrome; autism; counter-transference; metapsychology.


 

 

Pacientes com severas dificuldades no desenvolvimento afetivo e social apresentam inúmeras questões relevantes para o trabalho dos psicanalistas. Tanto as alterações a nível técnico, quanto as complexas relações transferenciais e contratransferenciais terão implicações na teoria e na teoria da técnica psicanalítica, e discutidas em sua radicalidade podem apresentar questões para a metapsicologia.

Descreverei aspectos do trabalho com um paciente que veio para análise aos quatro anos: tinha atrasos no desenvolvimento, não havia adquirido controle de esfíncter, apresentava pouca interação verbal e, apesar de possuir linguagem, não respondia às interações adequadamente. Com o desenvolvimento do trabalho e a busca de seus pais por um diagnóstico, este foi definido, após algum tempo: seus sintomas se enquadravam na Síndrome de Asperger (CID 10, F 84.5 e DSM IV, 299.80).3

Seu maior interesse sempre foi a música, sabendo muitas letras de cor, imitando os cantores, e em relação a este tema apresentava um brilhantismo bem acima da média para a sua idade. Nos primeiros tempos de nosso trabalho, apenas cantava e apresentava shows nas suas sessões mais organizadas. Em outras costumava jogar tudo que havia em sua caixa; o clima dessas sessões era agitado e caótico, e minha interferência ou aquilo que eu conseguia dizer nesses momentos parecia não fazer sentido ou mesmo não ser registrado por ele. Em algumas dessas situações eu o percebia como que sadicamente me fazendo de tola e inútil – pelo menos era assim que eu me sentia. Por exemplo, quando ele atirava algo na sala e esperava eu ir apanhar; assim que eu colocava em sua caixa, ele rapidamente jogava em outra direção e ria da minha irritação ou mesmo de minha desistência. Era como se as atividades que fugissem à repetição pusessem tudo em desordem, criando um caos interno que ele às vezes exteriorizava.

Seus shows musicais foram aos poucos se estruturando e passávamos sessões nas quais eu era a plateia e o iluminador (apagando e acendendo a luz da sala, ao seu comando) e ele se apresentava como cantor. Após algum tempo, comecei a cantar com ele algumas músicas que conhecia e isso pareceu fazê-lo interessar-se por mim, às vezes me convidava para me apresentar e aplaudia.

Enquanto analista, percebia que era necessária essa alteração técnica, que implicava um papel muito mais ativo de minha parte, como se eu necessitasse "me apresentar" como pessoa real no espaço da sessão, mostrando a ele que contava com uma "companhia viva", como denomina Anne Alvarez (1994). No atendimento dos casos do espectro autista, o fechamento desses pacientes em sua concha protetora (Tustin, 1990) muitas vezes causa um sentimento contratransferencial de inexistência ou insignificância – ao qual devemos estar atentos – para assumirmos uma postura mais ativa, que demande do paciente perceber nossa presença e atenção. Isso parece necessário para que o trabalho continue progredindo, mas um avanço muitas vezes é seguido de um tempo longo e importante de "sedimentação"; e só após esse tempo podemos introduzir novamente um aspecto ativo para que não sejamos sentidos como intrusivos pelo paciente.

Esse aspecto também nos remete à concepção de ilusão em Winnicott (1978) quando propõe que a criança tem a ilusão de criar a mãe e o seio, e que este tempo é fundamental para o desenvolvimento, tendo a mãe que ter uma capacidade suficientemente boa para perceber o momento de "aparecer" para o bebê para não traumatizá-lo e sim ajudá-lo a evoluir.

No processo da análise, depois pareceu surgir um arremedo de dramatização, quase jogo simbólico. Ele introduziu um interesse que tinha em casa (o filme do Rei Leão), e eu trouxe para ele as figuras do filme em pequenos bonecos. No início ele apenas repetia de forma idêntica as cenas do filme, parecia que as repetiria até a exaustão. Fui introduzindo comentários a respeito da morte do pai do leãozinho, os ciúmes do tio, o namoro com a leoa, os amigos etc. De início me ignorava, mas devagar passou a interagir e responder aos meus comentários.

Chamava minha atenção sua capacidade de memorização das cenas do filme; parecia uma espécie de mimetização, em que o externo era adquirido em bloco, sem que a percepção sofresse a intervenção de um sujeito que transforma ao apreender novos dados nos registros que já possui, introduzindo afetos, outras memórias etc. Esta transcrição literal parece ter como base um processo de incorporação e não de introjeção, onde a realidade externa, normalmente ignorada, quando é desejada é tão intensamente "catexizada" (ou deveríamos dar outro nome?) por uma mente que não separa sujeito e objeto, que o objeto é apropriado e passa a ser como uma criação do próprio sujeito.

Esse jogo evoluiu para outro no qual separava os bichos em duas fileiras, de frente uns para os outros, e dizia serem os bons contra os maus; fazia uma luta e me introduziu para ajudá-lo, manejando os bons. Certo dia, comentei que dizem que o bem sempre vence, e ele repetiu essa frase muitas vezes. Parecia-me que isto lhe dava alívio de uma aflição na qual se sentia impotente frente a forças que ele considerava do mal.

Muitas vezes fui apontando que os "do mal" deviam ter motivos como ciúme, inveja, ódio; eu ia nomeando esses sentimentos e propondo-os como uma motivação para as ações que surgiam.

Esse foi um importante período que me pareceu de construção de um mecanismo de cisão; buscava um reconhecimento dos aspectos de bons e de maus objetos internos (Klein, 1982), necessitava que esses fossem separados e pertencessem a lados opostos e não intercambiáveis. A cisão precisava ser projetada externamente e isso era importante para organizar o caos interno inicial. Com esses pacientes é preciso atenção para não interpretar precocemente a cisão e buscarmos prematuramente levá-los a ultrapassar aspectos esquizoparanoides e alcançar aspectos depressivos, pois os primeiros ainda não foram bem delimitados, é preciso que possam conquistá-los antes de seguir em frente. Todo avanço psíquico parece ser seguido de nova fase de repetições; o tema pode mudar, mas a estrutura se repete e foi assim que surgiu outro interesse dele: o futebol.

Nesses jogos fomos voltando à dinâmica de eu ser espectadora passiva, cujo único papel era aplaudi-lo enquanto ele jogava. Talvez essas apresentações busquem repetir a cena de uma mãe que tem um olhar de admiração para com o seu bebê, o que ele pode sentir como se tivesse lhe faltado, falta essa que não permite ao bebê a constituição de um narcisismo fundamental. É possível também que sua necessidade de domínio tenha precocemente causado esse sentimento, pois pode ter tentado aprisionar o olhar materno e nunca se sentido satisfeito com o que a mãe pôde lhe oferecer. De minha parte sempre procurei senti-lo como importante presença para mim, buscando sempre ser verdadeira e se me aborrecia com ele falava disso também. Mas aplaudi-lo (quando ele me sinalizava isso), valorizar seu time etc., pareceu sempre ser essencial para ele e para mim. Era como se eu tentasse "dar alento psíquico" a conta-gotas a alguém com um psiquismo à míngua em sua relação com o mundo externo. Seu funcionamento era muito mais de desistir do contato do que de tentar estabelecê-lo.

Poderíamos pensar, em sentido metapsicológico, que era importante auxiliá-lo na configuração de um narcisismo que o habilitasse a continuar se esforçando pela conquista do contato com o mundo externo.

Depois de algum tempo desse jogo, comecei a me sentir dominada por ele, parecia que tínhamos lugar para um, mas não para dois, pois se me apresentasse muito ele interrompia sua brincadeira. Eu falava dos meus sentimentos como se falasse comigo mesma em voz alta e aos poucos ele foi respondendo a isto, ou então meio a contragosto me incluía um pouco mais. Gradativamente foi introduzindo um time de futebol dele mesmo e eu sempre torcia por seu time. Parecia-me que sua pulsão de domínio era o elemento importante na percepção da realidade, onde brincava de transformar o conhecido a seu bel-prazer, e mesmo a mim parecia subjugar com as suas vontades. Parecia precisar de mim para vê-lo, talvez admirá-lo, mas era importante para ele que eu permanecesse estática, talvez não confiando caso eu fosse um objeto vivo. Seria de fato um bom objeto? Não iria desaparecer ou desampará-lo? Ou quem sabe até o atacaria?

Freud, em "Além do princípio do prazer" (1920/1980a), descreve a pulsão de domínio como não sexual, e diz que só secundariamente se funde à sexualidade, acrescentando que ela é dirigida ao exterior e constitui o único elemento presente na crueldade originária da criança. Freud também usa essa pulsão para explicar a repetição na brincadeira infantil e na neurose traumática.

Penso que diferente dos casos de autismo clássico, as crianças com síndrome de Asperger, utilizam mais a pulsão de domínio do que o mecanismo de desmantelamento (Meltzer, 1979), por isso talvez tenham mais preservada a sua capacidade de aprendizagem, linguagem e pensamento, apesar de suas inúmeras dificuldades de contato e interação social.

Um jogo que considero verdadeiramente interativo e criativo no sentido de vivência de personagens por ele, tema novo, lugares novos etc., ocorreu quando ele estava com nove anos. Eu lhe avisara que não poderia atendê-lo, pois teria um congresso, tendo que viajar no dia de sua sessão. Na sessão anterior a essa ele me propõe brincarmos de júri. Surpreendida pela novidade do tema perguntei – Quem vai ser julgado? Ele respondeu – Você.

Colocou-se como juiz, pegou um pedaço de madeira que estava em sua caixa, ficou na frente da mesa e bateu dizendo – Está aberta a sessão, pode entrar a ré.

M – Eu estou sendo acusada de quê?

J – De não trabalhar, é seu dia de trabalho na quinta e você não vai atender seus pacientes.

M – É verdade senhor juiz, mas não vou abandonar meus pacientes, vou para um congresso e volto.

J – Não importa, você vai ser julgada. [Virando-se em outra direção]:

J – Senhores jurados, ela é inocente ou culpada? [Fez menção de que agora fazia parte do júri e conversavam baixinho, depois voltaram aos seus lugares, ao lado oposto ao meu na mesa, dizia como se fosse um a um] – Culpada! – Culpada!

J – Você está presa.

M – Por quanto tempo?

J – Dois dias.

M – Vou perder minha viagem.

J – Se não ficar quieta, vai mesmo.

J – Venham, guardas [dizendo em tom impositivo] – Vamos para a prisão. [Foi comigo até um grande puf que tenho num canto da sala e me colocou aí].

M – Eu vou ficar aqui quanto tempo? Estou sozinha aqui nesta cela? Ele sentado no pequeno divã que tenho ao lado deste puf, começava a falar como se estivesse em outro lugar, depois vinha chegando perto e dizia – Eu estou aqui na cela ao lado [falava com uma voz diferente, meio sensual].

M – Quem é você?

J – Sou um cingano (sic) e estou aqui na outra cela.

M – Sim, há um engano, eu estou presa aqui, mas não sou criminosa, só vou viajar para um congresso, eles acharam que eu não tinha direito e me prenderam, eles ficaram furiosos comigo por causa de eu viajar, não sei se foi o juiz, o júri ou os guardas.

J – Vamos comer, eu sou o guarda, o que você quer comer?

M – A comida aqui é boa? Ainda bem que tem comida, pois podiam não me dar nada.

J – Sim, a comida é ótima, no café da manhã tem ovos, presunto, pão, leite, tem muita coisa, o que você quer?

M – Eu quero liberdade para poder sair.

J – Quieta você não vai sair.

J – Nós, os cinganos, vamos comer e beber, comer cebola e beber cerveja, depois vamos dançar.

Vinha para perto de mim, se punha a dançar em roda e fazer como um sopro no meu rosto, eu comecei a dizer – Credo, ai que cheiro de cebola e de bebida, credo. Ele ria muito enquanto repetíamos esta cena.

Animou-se e virava de costas, fazia barulho de flatos altos, e eu gritava – Sim, há um engano aqui, eles estão furiosos e querem me dar todos os cheiros ruins para eu levar comigo. Ele ria e dizia – É mesmo.

No final dessa sessão eu disse a ele que tinha podido me dizer, na brincadeira, o quanto estava bravo e chateado comigo pela falta da sessão. Parece-me que minha ausência pôde ser sentida e expressada por ele de uma forma nova, mais clara, e pôde ser transformada em jogo simbólico. Um dos grandes problemas dessas crianças diz respeito às separações e em geral elas desorganizam muitas de suas construções psíquicas (Meltzer, 1979), mas essas mesmas situações podem ser oportunidades que propiciem elaboração para outro nível de desenvolvimento. Neste caso, se a criança as suporta, em vez de desmancharem a condição psíquica, auxiliam a evolução. Sabemos que perceber separação e suportá-la leva a criança a admitir diferenças e progredir na discriminação de si e do outro.

Minha ausência traz notícia de minha alteridade e ele reage não me aprisionando num plano mental como sempre fez, através de sua pulsão de domínio, mas numa prisão agora simbolizada e elaborada num jogo.

Tempos depois, num dia no qual eu particularmente estava cansada de sua repetição que tinha se reiniciado como sempre acaba ocorrendo, quando ele propôs o show eu me neguei a fazer a minha parte, disse-lhe que eu entendia sua necessidade de repetir, mas que era importante ele saber que para as pessoas em geral isso é diferente. Acrescentei que não costumamos falar a mesma coisa duas vezes para a mesma pessoa, ou se repetimos algo temos o cuidado de variar para não nos aborrecer e que eu já estava cansada do show, pois ele o repetia desde que havíamos começado nosso trabalho.

Surpreendentemente, ele começou a me falar e perguntar sobre o nosso trabalho; queria saber com que idade havia começado a vir, pediu que lhe mostrasse que tamanho ele tinha, falamos de como era, que coisas ele e eu lembrávamos etc.

Depois disso ele propôs um jogo e iniciou falando que tinha um presidente Black que era americano, eu comentei – Então era o Obama. Ele disse que não, que era de antes do Obama, que tinha saído dos Estados Unidos, ido para o Paraguai e depois para o Peru e havia morrido aí, e que ele estava fazendo o enterro dele. Colocou-se ao lado do pequeno divã sério e circunspecto, numa posição formal.

Eu perguntei de que ele havia morrido e ele respondeu – Foi aqui no Peru que mataram ele, e eu disse – Eles foram mesmo do Peru! Isto me pareceu muito engraçado e eu comecei a rir, ele ria disfarçando, mas me dizia – Marly, não pode rir, é um enterro. Davame conta que algo transferencial estava ocorrendo, mas não conseguia interromper, meu tom era jocoso, me vinham associações engraçadas, brincadeiras que eu falava e ele sempre me dizendo – Marly, não se pode rir, é um velório.

Era impossível, me parecia, sair daquela posição até o final desse jogo que foi quase que só uma cena com dois personagens, um levando em conta a morte e outro escarnecendo dela. Chegou nosso horário e ao anunciar o fim da sessão percebi que eu havia tomado uma posição na qual algumas vezes eu o sinto; como que rindo ou escarnecendo da dor do outro.

Disse a ele que naquele dia ele havia se lembrado do tempo e que talvez isso o tivesse feito lembrar-se da morte, e que quem sabe era por isso que ele sempre repetia muito as coisas, para tentar parar o tempo e evitar lembrar-se da morte. Parece que um lado dele estava tentando olhar a morte mais seriamente e eu parecia ter experimentado o seu outro lado que ficava brincando para não olhar.

Em geral não lhe faço interpretações deste tipo ou tão longas, acredito que o fiz mais para me acalmar e tentar compreender. De qualquer forma, ele me ouviu atento sem me interromper, como é comum ele fazer.

Estava voltando a pé para casa nesse dia, mais tarde, e me lembrei dessa sessão, tentando pensar sobre o que ocorrera; atravessei a rua e levei um enorme susto quando um carro quase me atropelou e a pessoa gritou – Quer morrer? Quase me senti saindo de uma espécie de transe. Muito assustada percebi que tínhamos vivido e mexido com algo muito sério, com um brincar com a morte quase que concretamente, como se eu tivesse ficado naquele jogo encarregada de um aspecto dele que tinha um tanto de ação independente.

Bion, em seu livro Atenção e interpretação (1973) traz o seguinte poema de Coleridge:

Como alguém que numa estrada deserta
Caminha sob o medo e o pavor;
E que, tendo voltado por um momento o rosto, continua a caminhada,
E não mais para trás volta os olhos,
– Pois sente que um assustador demônio
Caminha, implacável, junto a seus passos. (p. 52)

Que espécie de transferência é essa onde ficamos encarregados de algo que se transforma numa espécie de incorporação de aspectos do paciente? Ou seja, uma transferência que funciona como se houvesse uma identificação projetiva da qual não é possível fugir; e eu agi como uma parte dele que me era estranha, mas imperiosa.

Esse tipo de transferência vivida nos faz pensar em algo que toma nossa mente de analistas e a qual raramente concordamos em receber; talvez tenhamos que supor certas condições de sintonia ou abertura de canais transferenciais, estados primitivos de mente (Almeida, 2009) exigindo de nós analistas receber aspectos que nossas mentes temem, porque exigem retornos a estados anímicos que temos lutado para ultrapassar e nos ameaçam. Seria este um aspecto da dificuldade do trabalho com esses pacientes? A demanda deles é de uma ordem que nós analistas temos que transpor mentalmente riscos de uma espécie tal, como o vivido por alguém que, para salvar outra pessoa, arrisca a própria vida.

Essa sessão e a impressão que ela me causou transferencialmente é de uma condição acima de uma compreensão racional, algo que parece emanar das profundezas do ser, do obscuro de nós mesmos, e trazer à luz aspectos bastante contraditórios. Parece ser uma sessão engraçada que nos leva ao riso e da qual de repente surge o assustador, o inesperado, lembrando Freud ao analisar o "Chiste e suas relações com o inconsciente" (1905/1980d). Neste caso, como no humor negro, o reprimido aparece na consciência e seu sentido, apesar da graça, é assustador.

Izelinda Garcia de Barros considerou que o presidente negro dizia respeito a um pai interno que precisa morrer para que ele possa aceitar se identificar com seu pai real; acrescentou que essa minha reação contratransferencial ocorreu, provavelmente, pelas intensas defesas dele em relação a essa morte simbólica, fantasia essa que para ele poderia se confundir com a realidade.

Numa outra ocasião, após ter dormido toda a sessão anterior, começou por tentar deitar e dormir novamente; eu o acordei e insisti com ele para que conversássemos sobre o que estava sentindo, mas ele disse – Me deixe dormir.

Eu respondi – Você acha que se o Ronaldinho ou o Adriano dormirem antes de um jogo importante ninguém vai acordá-los? Vão deixá-los dormir?

Ele riu e disse que não e eu falei – Pois é, este tempo aqui é como uma partida importante para nós e eu queria que pudéssemos conversar, se você me contar por que tem tido sono vou ajudá-lo muito melhor do que se deixar você dormindo.

Ele se levanta, desliga a luz da sala e fala para eu ficar quieta. Digo que ele não pode me apagar como apaga a luz, e ele comenta que é uma pena eu não ter um botãozinho. Digo que não tenho mesmo, ele se levanta no divã e faz um gesto de me dar um tiro. Eu respondo a isso desabando na cadeira. Brincamos um pouco disso e falo que ele está mesmo bravo comigo. Ele se levanta, empurra minha cadeira, põe outra no lugar da minha e se senta nela. Pega a tampa de sua caixa, finge escrever, falando – Lista de problemas. Faz gestos como se estivesse me hipnotizando. Escreve na lista – Deve ter fé, ser bom, ter esperança.

Então me faz acordar. Em seguida me hipnotiza novamente e diz – Arrumar o quarto, cuidar do cachorro, do gato, arrumar cozinha para a mãe, tratar bem os amigos, fazer sexo com o irmão... Não, não, ser amigo do irmão.

Acorda-me de novo. Começa a fazer um uivo de lobo. Imita um lobisomem e depois um cachorro e depois um morcego. Vou fazendo, à medida que ele faz isso, menção de que estou com medo. Vira-se de costas e faz de conta que solta flatos. E diz – Hipopótamo bundudo. Vai imitando outros bichos. Vem assustador em minha direção e diz que é o Frankenstein. Faço como se me assustasse muito.

Finge que escreve. E diz alto – Não superou o medo. Hipnotiza-me de novo. Faz uma música, com uma longa letra que ele inventa, falando de coisas que dão medo e vem cantando alto em minha direção. Eu grito "ai", cada vez que ele se aproxima demais me assustando. Faz como uma espécie de cena de musical, meus ais soam como o coro ou o refrão. Até que eu paro de dizer ai. Daí ele diz – Já superou o medo.

Faço como se não sentisse mais medo, não reagindo aos sustos que tenta me provocar. Digo – Isso que é psicólogo bom. Tira tudo de mim com mágica, não como outros que em tanto tempo não sabem fazer mágica nenhuma e a gente continua sentindo muita coisa.

Ele para a brincadeira, senta-se e diz – Que mistura, hem? Eu digo que ele quis ficar misturado comigo e experimentar o meu lugar, deixando-me no seu.

Agora somos dois, mas os lugares se desorganizam e podem ser alterados sob sua vontade, porém isso já está aqui colocado em formato de jogo.

Esse jogo talvez fale também de sua impressão sobre seus impulsos, como animais ferozes e assustadores que podem dominá-lo se ele não os superar, mostrando como eles se apresentam sorrateira e surpreendentemente, tal como no momento em que ele trouxe a sua sexualidade incestuosa. Parece precisar poderes mágicos que o tornem melhor para que se sinta bom, esperançoso e possa aprender a se comportar como o esperado, arrumando sua casa interna.

Essa inovação técnica de chamá-lo para a sessão usando o futebol surgiu nessa sessão e parece de fato tê-lo mesmo chamado a participar. No contato com este paciente muitas formas de "ações terapêuticas" surgem espontaneamente no decorrer das sessões e me fazem pensar que devemos nos deixar guiar pela intuição (Bion, 1973) e sermos "reais" e verdadeiros além de espontâneos (Winnicott, 1978), pois isto nos aproxima deles, de uma forma impossível de conseguirmos de outra maneira.

Por isto me parece que trabalhar com estes pacientes nos leva a caminharmos em direção ao mais profundo de nós mesmos, de forma às vezes criativa, às vezes alegre e frutífera, outras vezes assustadora, mas não menos produtiva.

 

A estrutura do ego dentro do espectro autista

Gostaria de discutir como poderemos buscar compreender o desenvolvimento de ego nessas pessoas que parecem não se interessar pelo mundo externo, mas se encontram voltadas ao mundo interno.

Winnicott (1978) descreve uma forma de relação com o mundo externo, em que este parece ser escolhido em detrimento do próprio eu e o denomina falso self. Nessa situação, o verdadeiro self fica "escondido" e, em seu lugar, um falso se apresenta.

Nas pessoas que se desenvolvem dentro de um espectro autista, poderíamos supor o contrário, que elas abandonam o mundo externo e parecem se realizar com as pulsões do id, ou seja, com a própria sensorialidade e sensualidade, abandonando o investimento de libido nos objetos externos. "Decidem" por esconder seus verdadeiros selfs em refúgios onde o mundo exterior não tenha acesso. Como vimos no presente caso, muitas vezes é surpreendente o desenrolar de certas sessões, como se algo oculto no interior emergisse subitamente e nos apresentasse uma capacidade que em geral não se exterioriza.

Freud (1923/1980e) caracterizava o ego como um "equilibrista", tendo que atender às demandas simultâneas e contraditórias de três "senhores": o id, o superego e a realidade externa. Nessa função de negociador permanente não raras vezes ele fracassa, não dando conta desses conflitos, principalmente quando frente ao excesso de exigência de uma dessas áreas.

Supomos que na situação autística, o id apresente demandas excessivas, talvez pela própria constituição do indivíduo, acrescido do fato de que nesses casos o ambiente também pode não ter proporcionado um holding (Winnicott, 1978) ou continência (Bion 1991) adequados a essas demandas.

O ego então lançaria mão de algum artifício para poder manejar esse excesso pulsional e inadequação ambiental, "voltaria as costas" para a realidade externa, satisfazendo o id. Por isso as pessoas do espectro autista permanecem sob o domínio do princípio do prazer sem ingressar no mundo da linguagem e dos vínculos. Neste sentido, o ego abre mão de seu desenvolvimento abdicando de suas principais funções e do contato com a realidade.

Em alguns casos este voltar-se para seu mundo interno é sentido como tão satisfatório que o desenvolvimento é praticamente interrompido e eles não chegam a adquirir nenhuma linguagem, apesar de poderem compreender a dos outros. Tudo que aprendem parece ser no sentido da autossatisfação e do autoerotismo. Outros adquirem uma primitiva forma de relação objetal, na qual o outro ainda não está bem constituído como objeto externo e real, mas é apropriado através da pulsão de domínio para se constituir em um "objeto autístico", semirreal, o que nos lembra a fase da ilusão (Winnicott, 1978), mas com a característica de não transitar para as etapas seguintes de progressiva separação sujeitoobjeto, e gradual conquista de relações objetais mais maduras.

Pensamos que nessa fase muito primitiva os mecanismos dominantes sejam a pulsão de domínio e a incorporação, sendo estes os mecanismos primários. Só posteriormente ocorreria, como diz Freud (1921/1980f, 1923/1980e), o aparecimento dos mecanismos de projeção e introjeção, que levam à continuidade do desenvolvimento.

Nos indivíduos com síndrome de Asperger, parece que seu desenvolvimento se baseia fortemente em mecanismos de domínio e incorporação, conforme descrito no caso acima relatado. Seu uso mais amplo da linguagem verbal e seus rituais idiossincráticos são formas de materialização de seu interesse por aspectos inusuais do mundo externo, os quais tentam dominar repetindo-os exaustivamente. Essa é sua forma de contato com o mundo e ao mesmo tempo é a "janela" através da qual podemos, na análise, tentar fazer contato com eles.

 

Referências

Almeida, M. (2009). Transferências: transpondo novas fronteiras? Inquietações a partir da clínica psicanalítica dos estados primitivos da mente. Jornal de Psicanálise, 41 (75), 167-179.

Alvarez, A. (1994). Companhia viva. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bion, W.R. (1973). Atenção e interpretação. Rio de Janeiro: Imago.

Bion, W.R. (1991). O aprender com a experiência. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1980a). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 13- 85). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S. (1980b). Artigos sobre metapsicologia. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 111-144). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1915)

Freud, S. (1980c). Cinco lições de psicanálise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 11, pp. 3-51). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1910)

Freud, S. (1980d). O chiste e suas relações com o inconsciente. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 8, pp. 11- 227). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1905)

Freud, S. (1980e). O ego e o id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 19, pp. 15- 80). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923)

Freud, S. (1980f). Psicologia de grupo e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 89-170). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921)

Klein, M. (1982). Os progressos da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Meltzer, D. et al. (1979). Exploración del autismo. Buenos Aires: Paidós.

Tustin, F. (1990). Barreiras autistas em pacientes neuróticos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Wikipédia – Síndrome de Asperger. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ASindrome_de_Asperger. Acesso em: 9 out. 2009.

Winnicott, D.W. (1978). Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

 

Endereço para correspondência

Marly Terra Verdi
Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo
Rua Saldanha Marinho, 3564
15014-300 São José do Rio Preto, SP
e-mail: marlyver@terra.com.br

 

[Recebido em 19.4.2010, aceito em 4.6.2010]

 

 

1 Este trabalho foi apresentado em reunião científica na Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo em novembro de 2009.
2 Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo SBPSP.
3 A Síndrome de Asperger se relaciona com o transtorno de Asperger definido na seção 299.80 do DSM-IV por seis critérios principais, que definem a síndrome como uma condição com as seguintes características:
• Prejuízo severo e persistente na interação social;
• Desenvolvimento de padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades;
• Prejuízo clinicamente significativo nas áreas social, ocupacional ou outras áreas importantes de funcionamento;
• Nenhum atraso significativo no desenvolvimento da linguagem;
• Não há atrasos clinicamente significativos no desenvolvimento cognitivo ou no desenvolvimento de habilidades de autoajuda apropriadas à idade, comportamento adaptativo (em outra área que não na interação social) e curiosidade acerca do ambiente na infância.
• A não satisfação dos critérios para qualquer outro transtorno invasivo do desenvolvimento específico ou e esquizofrenia.
A Síndrome de Asperger é um transtorno do espectro do autismo, uma das cinco condições neurológicas caracterizadas por diferenças na aptidão para a comunicação, bem como padrões repetitivos ou restritivos de pensamento e comportamento. Os quatro outros transtornos ou condições são: autismo, síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância, PDD não especificado (PDD-NOS – transtorno invasivo do desenvolvimento sem outra especificação). [Extraído da Wikipedia]