SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número2Tipologia de atributos ponderada baseadas em normas de produção atributos semânticos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Temas em Psicologia

versão impressa ISSN 1413-389X

Temas psicol. vol.25 no.2 Ribeirão Preto jun. 2017

http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.2-22Pt 

RESENHA

 

Resenha: Programas de educação para aposentadoria

 

Reseña del libro: Programas de educación para el retiro

 

 

Noêmia de Morais Santos

Departamento de Psicologia Social e do Trabalho, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil

Endereço para correspondências

 

 

Resenha do livro: Murta, S. G., Leandro-França, C., & Seidl, J. (2014). Programas de Educação para a Aposentadoria: Como planejar, implementar e avaliar. Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

O livro apresenta valiosas contribuições para psicólogos, gestores, pesquisadores e para todos aqueles que se interessam por envelhecimento ativo, aposentadoria bem-sucedida e, sobretudo, pelos Programas de Educação para a Aposentadoria. É organizado em cinco partes: Fundamentos; Planejamento de Programas de Educação para Aposentadoria; Temas e Estratégias para Programas de Educação para Aposentadoria (PEAs) e Pesquisa. Conta, ainda, com a disponibilização de um anexo com interessante material complementar para elaboração de PEAs.

A apresentação, escrita pelas organizadoras Sheila Giardini Murta, Cristineide Leandro-França e Juliana Seidl, salienta que o processo de inserção à aposentadoria é marcado pela dualidade de sentimentos e expressa a expectativa de promover uma aposentadoria com bem estar.

A obra conta com a participação de 19 estudiosos brasileiros da área de aposentadoria advindos de organizações diversas: Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Brasília e Banco Central do Brasil.

O primeiro capítulo, Prevenção e Promoção da Saúde Mental, Políticas Públicas sobre Envelhecimento Ativo e Educação para Aposentadoria (Leandro-França, 2014b), apresenta os conceitos e modelos de prevenção e promoção de saúde mental e, face ao crescente envelhecimento, aponta as políticas nacional e internacional que dão apoio a PEAs e ao envelhecimento. No que tange ao Estatuto do Idoso são descritos os fatores determinantes de um envelhecimento ativo: individuais, econômicos, sociais, comportamentais, ambiente físico, serviços sociais e de saúde. Além disso, é considerada a necessidade de PEAs para trabalhadores de todas as esferas, com antecedência mínima de um ano da data provável da aposentadoria.

O segundo capítulo, Modelos Teóricos que Fundamentam os Programas de Educação para Aposentadoria (Günther & Borges, 2014), chama atenção para três importantes teorias que sustentam os PEAs: a Perspectiva do Curso de Vida (Life Span), o Modelo de Resiliência e o Modelo Transteórico de Mudança.

A primeira teoria enfatiza que o desenvolvimento é um processo marcado por perdas e ganhos, por continuidade e mudança que exige adaptação às novas fases da vida como, por exemplo, a aposentadoria; a segunda teoria, por meio do conceito de resiliência, esclarece sobre capacidade de enfrentar as adversidades da vida com sucesso; a terceira teoria visa entender como as pessoas progridem por meio da mudança comportamental no que se refere à saúde, ao planejamento financeiro, ao fortalecimento da rede social e familiar, aos projetos de vida pós-carreira.

Esse capítulo conta, ainda, com estratégias de intervenção em grupo para alcançar mudanças de comportamento, de acordo com o estágio interno de preparação para aposentadoria em que os participantes estejam: pré-contemplação a contemplação, contemplação para a preparação, preparação para ação e ação para manutenção.

O terceiro capítulo, Aposentadoria: Crise ou Liberdade (Leandro-França, 2014a) relata a dualidade de sentimentos decorrentes da aposentadoria. Retrata as características de uma aposentadoria marcada pelo sofrimento ou pelo prazer. Nesse capítulo, é salientado a importância de preparação financeira, planejamento do futuro, prática de atividades físicas, lazer e alimentação saudável, visando uma aposentadoria bem sucedida.

O quarto capítulo, Manejo de Grupos Psicoeducativos (Murta, Borges, & Costa, 2014) trata da importância de práticas psicoeducativas por meio de grupos para que os indivíduos reflitam sobre o momento da aposentadoria e da pós-carreira, bem como sobre planos futuros: tempo livre, projetos, atividades, outra profissão. Nesses grupos, muito além de informações sobre o tema, são valorizadas as vivências, sentimentos e expectativas para a aposentadoria.

Espera-se que nesses grupos sejam incentivados o desenvolvimento das capacidades e as interações significativas, de modo que, por meio do sentimento de pertença e apoio social recebidos, os participantes possam aumentar sua resiliência e empoderamento. Discorre-se, também, quanto ao formato, ao planejamento, aos fatores terapêuticos, às habilidades necessárias ao facilitador.

No quinto capítulo, Formatos de Programas de Educação para Aposentadoria (Seidl, Leandro-França, & Murta, 2014), são enfocadas as características dos diferentes tipos de intervenção: continuada, breve e intensiva, a ser definida de acordo com a necessidade e os recursos disponíveis na organização.

Tendo como base o conceito de que o envelhecimento é uma etapa do desenvolvimento humano, sugerem-se que os PEAs sejam incorporados logo no início da carreira para sua melhor aplicabilidade ao longo da vida laboral. Entretanto, é salientado que, atualmente, apenas o serviço público e as grandes empresas têm investido em tais programas.

No sexto capítulo, Planejamento de Programas de Educação para Aposentadoria (Zanelli & Antloga, 2014), são abordadas as vantagens da preparação para aposentadoria, e mais uma vez chama-se a atenção para uma preparação precoce. São sugeridos, ainda, os meios de elaboração de programas a saber: compreensão do contexto, preparação do projeto, qualificação dos orientadores, adequação do programa, execução e avaliação.

O sétimo capítulo, Identidade, Valores e Novas Perspectivas Profissionais (Seidl & Conceição, 2014), trata do risco de se ter um único papel social, no caso o de trabalhador, muito exacerbado, podendo trazer sofrimento no processo de aposentar-se devido a uma possível crise de identidade. Aborda, também, a importância de aproximar os valores dos participantes a seus comportamentos. Relata, ainda, que em resposta ao aumento da expectativa de vida, muitas pessoas têm optado por continuar trabalhando após a aposentadoria, advindo daí a necessidade de se pensar em novas perspectivas profissionais.

O oitavo capitulo, Funções Cognitivas, Envelhecimento e Aposentadoria: Memória e Técnicas de Intervenção (Chariglione & Janczura, 2014), enfoca os declínios de memória no processo normal de envelhecimento, além de técnicas de intervenção para minimizá-los, tais como: memorização, relaxamento e atenção.

O nono capítulo, O Pensar Saudável na Aposentadoria (Kunzler, 2014), aborda as contribuições para a promoção de qualidade de vida na aposentadoria da técnica de tomada de decisão e qualidade de vida, uma modalidade de terapia cognitiva. Nela, os indivíduos são orientados a pensar que há mais de um ponto de vista para um determinado evento e o modo como ele o enxerga é uma escolha pessoal.

Informa-se que desde 1980, tem-se comprovado o benefício de abordagens cognitivas em atendimentos grupais. O atendimento terapêutico, em grupo, reduz custos e aumenta o alcance do número de indivíduos beneficiados. Por isso, indica-se sua utilização em PEAs, por profissional habilitado.

O décimo capítulo, Relacionamentos Familiares e Conjugais na Aposentadoria (França & Sandoval, 2014), aponta as relações familiares como principal dimensão analisada na tomada de decisão quanto à aposentadoria, seguida dos fatores que afetam as condições de saúde. Desse modo, todo PEA deve contar com esse tópico para auxiliar os idosos a refletir e discutir tão importante tema com suas famílias, uma vez que, o fortalecimento dessa rede pode propiciar um importante suporte ao aposentar-se.

Ampliando esse debate, o décimo primeiro capítulo, Rede Social e Aposentadoria (Costa & Malaquias, 2014), chama a atenção para a importância das relações sociais como um todo: família, amigos, comunidade, tendo em vista a tendência de diminuição da rede social na velhice, a diminuição da oportunidade de renovar a rede social e a dificuldade em manter vínculos já ativos devido à tendência de se focar mais nas relações familiares.

Nesse contexto, as redes sociais criam um espaço para um intercâmbio dinâmico, sobretudo para aqueles vivendo situações semelhantes, em que a solidariedade entre as pessoas as capacitará para compartilhar os problemas e encontrar soluções.

O décimo segundo capítulo, Autonomia Financeira na Aposentadoria (Pimenta, 2014), é dedicado ao planejamento financeiro, o qual deve ser iniciado cedo na vida profissional. É desejável que o trabalhador invista parte de seus recursos durante toda sua trajetória profissional de modo que possa estar independente financeiramente ao se aposentar.

Chama-se atenção para a educação financeira no contexto familiar objetivando que a família aprenda a lidar em conjunto com as decisões acerca dos recursos financeiros, dos projetos de vida, além do comprometimento da renda com consumo e investimento. São sugeridas, também, opções de investimento para gozar de uma aposentadoria tranquila.

O décimo terceiro capítulo, (Re)descobrindo o Lazer na Aposentadoria (Seidl, 2014), aborda as opções para desfrutar essa fase da vida, desfazendo-se de aspectos negativos e estereotipados da velhice. Coadunando com os capítulos anteriores, acentua-se que atividades de lazer devem fazer parte do cotidiano ao longo da vida e não se deve esperar a aposentadoria para se dedicar a atividades prazerosas.

O décimo quarto capítulo, Espiritualidade, Promoção de Saúde e Aposentadoria (Neubern, 2014), retrata como a espiritualidade pode ajudar no processo de promoção de saúde no contexto de aposentadoria. Por vezes, ela é fonte de flexibilidade, ajudando a pessoa a redefinir e compreender as vicissitudes da vida e, por meio dela o aposentando poderá construir o entendimento de questões marcantes do seu cur-so de vida: mudança de papéis sociais, desenvolvimento e adaptação, doenças, morte, entre outros.

O décimo quinto capítulo, Projetos de Vida, Valores e Ação Comprometida na Aposentadoria (França, Barbosa, & Murta, 2014), expõe a importância de projetos de vida ao se aposentar. A diversidade de atividades antes dessa fase é fator facilitador do processo.

Propõe-se que os PEAs devem ser finalizados com esse tema, dada a sua importância para uma transição bem sucedida para a aposentadoria. Chama-se a atenção para os itens importantes nesse tópico: projeto de vida: suas dimensões e variáveis correlatas, bem estar e felicidade, valores pessoais e comprometimento com os projetos pessoais e técnicas de encerramento de PEAs que envolvam reflexão e discussão sobre projetos futuros.

Finalmente, no décimo sexto capítulo, Pesquisa em Avaliação de Programas de Educação para Aposentadoria (Murta, Leandro-França, & Barbosa, 2014), são descritos os critérios do roteiro de pesquisa, antes da implementação de um PEA: avaliação de necessidades, desenvolvimento do programa, avaliação de eficácia, avaliação de efetividade e estudos de difusão de PEA bem sucedido.

A incipiência de estudos no Brasil acerca da avaliação de PEAs é reafirmada, bem como é relembrada a importância de tais estudos para assegurar a efetividade dos programas, sendo sugerido forte investimento em estudos robustos nessa área.

Por fim, é importante salientar que, muitas vezes, aposentar-se não implica em parar de trabalhar. Uma pessoa pode se aposentar e desenvolver a mesma atividade em outra organização, pode se envolver em uma outra faceta profissional, ou pode, ao longo da vida, desenvolver uma segunda atividade, que após a aposentadoria se torne uma atividade profissional. Nesse contexto, os PEAs podem ser úteis tanto aos que almejam cessar toda e qualquer atividade laboral, quanto aos que almejam permanecer em atividade.

A fim de oferecer suporte na fase de aposentadoria, sugere-se, com base na perspectiva do curso de vida, que os trabalhadores jovens também sejam inseridos em PEA, especialmente aqueles em início de carreira, visando o gerenciamento da carreira com uma orientação preventiva e de educação ao longo da vida (Murta, Leandro-França, & Barbosa, 2014).

Espera-se que, a disseminação de PEAs se torne uma realidade nacional, tendo em vista que hoje a maioria dos programas se limita à esfera das empresas públicas e algumas poucas grandes empresas. Faz-se necessário, então, uma mudança cultural do envelhecer no ambiente organizacional, visando à valorização de PEAs como sugere a presente obra.

O livro aborda os principais aspectos que devem estar presentes em PEAs. Além disso, enfatiza os aspectos teóricos que devem embasar um PEA. Por fim, é salientada a importância de se investir em avaliação sistemática e contínua desses programas e é feito um alerta para a incipiência de estudos de avaliação do PEA no Brasil em suas diversas fases: adoção, implementação, disseminação e sustentabilidade.

Recomenda-se a leitura desta obra tendo em vista sua contribuição para o ensino, a super visão, a atuação profissional, a pesquisa enfim, para a capacitação de profissionais que se propõem a trabalhar com PEAs e com o envelhecimento.

 

Referências

Chariglione, I. P. F., & Janczura, G. A (2014). Funções cognitivas, envelhecimento e aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 68-83). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Costa, L. F., & Malaquias, J. V. (2014). Rede social e aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 197-209). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

França, L. H. F. P., Barbosa, L. M., & Murta, S. G. (2014). Projetos de vida, valores e ação comprometida na aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 267-287). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

França, L. H. F. P., & Sandoval, L. A. N. (2014). Relacionamentos familiares e conjugais na aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 182-196). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Günther, I. A., & Borges, L. M. (2014). Modelos teóricos que fundamentam os Programas de Preparação para a Aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 37-53). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Kunzler, L. S. (2014). O pensar saudável na aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 165-181). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Leandro-França, C. (2014a). Aposentadoria: Crise ou liberdade? In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 54-65). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Leandro-França, C. (2014b). Prevenção e promoção da saúde mental, políticas públicas sobre envelhecimento e educação para aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 22-36). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Murta, S. G., Borges, L. M. & Costa, A. L., Jr. (2014). Manejo de grupos psicoeducativos. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 55-68). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Murta, S. G., Leandro-França, C., & Barbosa, L. M. (2014). Pesquisa em Avaliação de Educação para a Aposentadoria In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 288-308). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Murta, S. G., Leandro-França, C. L., & Seidl, J. (2014). Programas de Educação para a Aposentadoria: Como planejar, implementar e avaliar. Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Neubern, M. (2014). Espiritualidade, promoção de saúde e aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 251-266). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Pimenta, M. (2014). Autonomia financeira na aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 210-226). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Seidl, J. (2014). (Re)descobrindo o lazer na aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 227-250). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Seidl, J., & Conceição, M. I. G. (2014). Identidade, valores e novas perspectivas profissionais. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 134-152). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Seidl, J., Leandro-França, C., & Murta, S. G. (2014). Formatos de programas de educação para aposentadoria. In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 84-113). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Zanelli, J. C., & Antloga, C. S. X. (2014). Planejamento de Programas de Educação para aposentadoria.In S. G. Murta, C. Leandro-França, & J. Seidl (Eds.), Programas de Educação para Aposentadoria (pp. 114-133). Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

 

 

Endereço para correspondência:
Noêmia de Morais Santos
Universidade de Brasília, ICC Sul, Instituto de Psicologia/PSTO
Caixa Postal: 04500
Brasília, DF, Brasil 70910-900
Fone: (61)3107-6827/6830
E-mail: santos.morais.noemia@gmail.com

Recebido:25/11/2015
1ª revisão: 21/03/2016
Aceite final: 25/03/2016

 

 

Manuscrito elaborado a partir da dissertação de mestrado, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PG-PSTO), telefone (61) 3107-6830 www.psto.com.br

Creative Commons License