SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.68 número3Clínica da Atividade: conceitos e fundamentos teóricosRelações entre controle psicológico e comportamental materno e ansiedade infantil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Arquivos Brasileiros de Psicologia

versão On-line ISSN 1809-5267

Arq. bras. psicol. vol.68 no.3 Rio de Janeiro dez. 2016

 

ARTIGOS

 

Estratégias de enfrentamento (coping) em trabalhadores: revisão sistemática da literatura nacional

 

Coping in workers: a systematic review of national literature

 

Estrategias de afrontamiento (coping) en los trabajadores: revisión sistemática de la literatura nacional

 

 

Lúcia Petrucci de MeloI; Mary Sandra CarlottoII; Sandra Yvonne Spiendler RodriguezIII; Liciane DiehlIV

IPsicóloga. Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Porto Alegre. Estado do Rio Grande do Sul. Brasil
IIPsicologa. Doutora em Psicologia Social. Docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). São Leopoldo. Estado do Rio Grande do Sul. Brasil
IIIPsicóloga. Doutora em Psicologia. Docente da Escola de Saúde e Bem Estar do Centro Universitário FADERGS. Porto Alegre. Estado do Rio Grande do Sul. Brasil
IVPsicóloga. Doutoranda em Psicologia na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Docente. Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES). Lajeado. Estado do Rio Grande do Sul. Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O presente estudo objetivou realizar levantamento dos artigos empíricos nacionais publicados de 2009 a 2013 sobre estratégias de enfrentamento (coping) utilizadas por trabalhadores, bem como analisar as variáveis associadas ao coping. A busca ocorreu nas bases de dados Lilacs, SciELO Brasil e PePSIC. Do total de 655 artigos identificados, 18 artigos atenderam aos critérios de seleção. Resultados identificaram que o instrumento mais utilizado para avaliar o coping é o Inventário de Estratégia de Coping, de Folkman e Lazarus (1984), no qual, 44% e 50% dos estudos analisados eram de delineamento analítico, sendo o estresse (22%) a principal variável associada. Entre as estratégias mais utilizadas pelos trabalhadores, estão a resolução de problemas (100%) e o confronto (55%); e as menos utilizadas são afastamento (33%) e aceitação de responsabilidades (22%). Nota-se a importância de ampliar estudos com amostra probabilística que permitam avaliação das relações de causa e efeito dos fenômenos, bem como de corte longitudinal que ampliem o campo de conhecimento sobre possibilidades de mudanças.

Palavras-chave: Coping; Trabalhadores; Revisão sistemática; Estratégias de enfrentamento.


ABSTRACT

The study aimed to examine empirical articles on coping strategies used by Brazilian workers published in Brazil from 2009 to 2013 as well as to analyze the variables associated with them. The search was performed on the databases Lilacs, SciELO Brasil and PePSIC. From the 655 articles identified, 18 met the selection criteria. Results found that 44% of the studies used Folkman and Lazarus Inventory (1984) to assess the coping, and that stress (22%) was the primary variable associated. Among the strategies used by workers problem solving (100%) and confrontation (55%) were the most used and distancing (33%) and accepting responsibility (22%) were the least used. It is possible to note the importance of conducting further studies with probabilistic samples that allow assessing the cause and effect relations for the phenomena, in addition to longitudinal studies that enable advanced knowledge on the possibilities of change.

Keywords: Coping; Workers; Systematic review; Coping strategies.


RESUMEN

El estudio tuvo como objetivo analizar artículos empíricos brasileños publicados desde 2009 hasta 2013 sobre estrategias de afrontamiento utilizadas por trabajadores y analizar las variables asociadas a estas. La búsqueda se produjo en las bases Lilacs, SciELO Brasil y PePSIC. Del total de 655 artículos identificados, 18 cumplieron con los criterios de selección. Con base en los resultados, fue posible identificar que el Inventario de Estrategias de Afrontamiento de Folkman y Lázaro (1984) (44%) es el más utilizado para evaluar el afrontamiento y que el estrés (22%) es la principal variable asociada. Las estrategias más utilizadas por los trabajadores son la resolución de problemas (100%) y la confrontación (55%), y las menos utilizadas son el distanciamiento (33%) y la aceptación de la responsabilidad (22%). Se observó la importancia de ampliar los estudios con muestra probabilística que permita la evaluación de las causas y efectos de los fenómenos, así como de corte longitudinal que promuevan amplíen el campo de conocimiento sobre posibilidades de cambio.

Palabras clave: Afrontamiento; Trabajadores; Revisión Sistemática; Estrategias de afrontamiento.


 

 

Introdução

As inovações técnicas e tecnológicas nas organizações, como fruto da modernidade, têm ocasionado o aumento do estresse ocupacional em trabalhadores. A emergência desses avanços permite testemunhar profundas mudanças sociais nos processos produtivos e nos arranjos das relações de trabalho (Fernandes & Vasques-Menezes, 2012). A nova arquitetura organizacional exige dos trabalhadores constantes adaptações e novas estratégias, necessárias à manutenção da qualidade de vida para enfrentar mudanças e administrar situações estressantes, crônicas ou traumáticas (Guido, Linch, Pitthan, & Umann, 2011; Murta & Tróccoli, 2007).

Pesquisadores, preocupados com a saúde mental dos trabalhadores, têm realizado estudos sobre o estresse ocupacional em diversas categorias profissionais e reconhecem esse como um dos principais riscos ao bem-estar psicossocial do indivíduo com implicações fisiológicas, psicológicas e comportamentais (Carlotto & Câmara, 2010; Griep, Rotenberg, Landsbergis, & Vasconcellos-Silva, 2011; Souza, Guimarães, & Araújo, 2013). As alterações no estado de saúde, derivadas do estresse, podem comprometer o equilíbrio físico e mental do trabalhador, dessa maneira, ocasionando consequências no desempenho do profissional, baixa moral, alta rotatividade, absenteísmo e violência no local de trabalho (Rodrigues & Chaves, 2008).

As pessoas nem sempre estão preparadas para evitar o estresse, mas a forma como lidam com ele faz diferença para sua saúde mental (Murta & Tróccoli, 2007; O'Driscoll, 2013). Estudos empíricos têm demonstrado o poder do coping como preditor da saúde ocupacional, evidenciando que as estratégias de enfrentamento utilizadas pelos indivíduos são determinantes na evolução do estresse e desenvolvimento de doenças ocupacionais (Prati, Pietrantoni, & Cicognani, 2011; Sousa, Mendonça, Zanini, & Nazareno, 2009).

No campo de estudo do estresse no trabalho, há uma perspectiva teórica que enfatiza a importância das variáveis individuais como atenuadoras dos seus efeitos, entendendo que estas são produtos do sujeito baseado na valoração que o mesmo atribui ao evento estressor, fazendo com que a avaliação que os indivíduos realizam sobre um mesmo acontecimento seja diferente. Uma das variáveis individuais que tem recebido maior atenção dos estudiosos é a estratégia de enfrentamento (coping) (Puente, Gutiérrez, Pueyo, & López, 2000).

Ao longo do tempo, o entendimento sobre o conceito de coping tem sofrido alterações. No início do século XX, ele foi tratado como um mecanismo de defesa, motivado interna e inconsistentemente como a maneira do indivíduo de lidar com seus conflitos sexuais e agressivos; sendo tratado como estável, numa hierarquia de saúde versus psicopatologia (Vaillant, 1994; Antoniazzi, Dell'Aglio, & Bandeira, 1998). Uma segunda geração classificou os comportamentos associados ao coping como um processo transacional entre a pessoa e o ambiente, com ênfase no processo tanto quanto em traços de personalidade, com isso, desfazendo a característica de inflexibilidade que até então era adotada (Folkman & Lazarus, 1985; Antoniazzi, Dell'Aglio, & Bandeira, 1998). A terceira geração de pesquisadores, no final do século XX, direcionou seus estudos para a convergência entre coping e personalidade. Essa tendência foi motivada, em parte, por pesquisas que indicaram que fatores situacionais não são capazes de explicar toda a variação nas estratégias de enfrentamento utilizadas pelos indivíduos (Antoniazzi, Dell'Aglio, & Bandeira, 1998).

O conceito de estratégias de enfrentamento (coping) mais empregado na literatura e aceito na comunidade científica compreende esse como o conjunto de medidas intencionais, cognitivas e comportamentais adotado pelas pessoas para adaptarem-se a diferentes circunstâncias estressantes com o propósito de minimizar sua susceptibilidade e retornar ao seu estado anterior (Folkman, 1984; Murta & Tróccoli, 2007; Pocinho & Perestrelo, 2011; Rocha Sobrinho & Porto, 2012; Kleinubing, Goulart, Silva, Umann, & Guido, 2013). O modelo proposto por Folkman e Lazarus (1980) divide o coping em duas categorias funcionais: o coping focalizado no problema e o coping focalizado na emoção. O coping focalizado no problema constitui-se no esforço despendido pelo sujeito para atuar na situação que deu origem ao estresse, tentando mudá-la. A função dessa estratégia é alterar o problema existente na relação entre a pessoa e o ambiente que está causando a tensão. O coping focalizado na emoção é compreendido como um esforço para regular o estado emocional que é associado ao estresse e reduzir a sensação física desagradável que é gerada. Estes esforços são dirigidos a um nível somático e/ou a um nível de sentimentos, tendo por consequência a alteração do estado emocional do indivíduo. Apesar da grande variedade de estudos conduzidos sobre essa temática, é crucial que mais atenção seja dada às pesquisas, uma vez que o coping tem demonstrado ser o centro do bem-estar psicológico (O'Driscoll, 2013).

Apesar de ser uma temática investigada desde a década de 1980, no campo da Psicologia Organizacional e do Trabalho (POT), e alvo de atenção de pesquisadores de diferentes disciplinas (Tamayo, Mendonça, & Silva, 2012), ainda há pouca investigação sobre coping. A revisão sistemática realizada por Tonetto, Amazarray, Koller e Gomes (2008), com artigos publicados em POT, de 2001 a 2005, corrobora o resultado obtido ao revelar que o coping foi investigado em apenas um estudo entre os 178 artigos analisados.

A revisão sistemática da literatura é um meio para obtenção de subsídios para a prática baseada em evidência, que permite ordenar, a partir de um dado período de tempo, um conjunto de informações e resultados já obtidos sobre determinado tema, de forma a investigar pontos consolidados do conhecimento e identificar novas pautas de pesquisa (Briner, 2012; Campos & Nakano, 2012; De-la-Torre-Ugarte-Guanilo, Takahaschi, & Bertolozzi, 2011). Desta forma, este estudo tem como objetivo realizar uma revisão sistemática da literatura de pesquisas brasileiras a respeito de estratégias de enfrentamento (coping) utilizadas por trabalhadores, bem como analisar as variáveis associadas ao coping.

 

Método

Para este estudo, operacionalizou-se a pesquisa bibliográfica mediante a busca eletrônica de artigos indexados nas seguintes bases: SciELO Brasil (http://www.scielo.com.br), Lilacs - Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (http://www.bireme.br) e PePSIC - Periódicos Eletrônicos em Psicologia (http://pepsic.bvs-psi.org.br), a partir das palavras relacionadas aos temas "coping" e "trabalhadores". Optou-se por essas bases porque contemplam revistas conhecidas e de ampla divulgação e abrangência nacional. A busca foi realizada nos meses de janeiro a março de 2014, incluiu artigos publicados no período de 2009 a 2013 e combinou as palavras "enfrentamento" AND "trabalhadores", "enfrentamento" AND "trabalho", "coping" AND "workers", "coping" AND "professionals", "coping" AND "employers", "coping" AND "work", "enfrentamiento" AND "trabajadores", "enfrentamiento" AND "trabajo".

No final do levantamento nas bases, realizou-se uma pesquisa manual de artigos relacionados ao tema investigado no Google Acadêmico como forma de validação da pesquisa e possível identificação de novos artigos. Na primeira busca, foram identificados 655 artigos. A partir desta relação, foram adotados os seguintes critérios de inclusão para a seleção das produções científicas analisadas nesta revisão: (1) artigos publicados em língua portuguesa, inglesa e espanhola; (2) trabalhos empíricos de método quantitativo, delineamento possível de atender ao objetivo do estudo, realizados com amostra de trabalhadores brasileiros; (3) artigos que tivessem como objetivo de estudo identificar as estratégias de enfrentamento utilizadas por trabalhadores. A amostra final ficou composta por 18 artigos. A Figura ilustra a busca e seleção dos estudos.

Com o intuito de proporcionar um tratamento detalhado dos dados para a análise, foram recuperados na íntegra os 18 artigos finais. De posse do material, foi realizada uma leitura de cada artigo, para tanto, organizando as informações de acordo com as seguintes dimensões de análise estabelecidas: (1) Ano de publicação; (2) Periódico; (3) Campo de atuação do autor; (4) Categoria profissional estudada; (5) Tipo de amostra; (6) Instrumento utilizado para avaliação do coping; (7) Variáveis associadas ao estudo de coping; (8) Principais resultados.

 

Resultados e discussão

As bases de dados utilizadas para o levantamento de artigos deste estudo foram importantes para a confirmação das principais fontes de busca de periódicos nacionais pertinentes ao tema investigado. Os 18 artigos que compuseram a amostra final foram organizados no Quadro em ordem de data de publicação, o qual apresenta uma visão geral das características selecionadas como critérios deste estudo.

Perfil das publicações

É possível observar equilíbrio e linearidade quanto ao ano das publicações, pois, em 2011, houve cinco artigos publicados (27%), enquanto que, em 2009, foram quatro publicações (22%) e, em 2010, 2012 e 2013, manteve-se a quantidade de três publicações em cada ano (16%). Considerando a quantidade de artigos publicados, pode-se pensar que este ainda é um tema pouco investigado (Tamayo et al., 2012; Tonetto et al., 2008).

A psicologia aparece como a área de formação dos pesquisadores que mais investigam sobre coping em trabalhadores (n = 11; 61%). Contudo é também objeto de estudo em outras áreas do conhecimento como enfermagem (n = 4; 22%), gerontologia, educação, nutrição e educação física (cada uma com um artigo; 5%), o que demonstra que o tema é de interesse multidisciplinar. É possível pensar que a grande concentração de estudos se encontre relacionada à psicologia em virtude de o constructo teórico mais aceito pela comunidade científica internacional ter sido desenvolvido por Suzan Folkman e Richard Lazarus, na década de 1980, e sob a perspectiva de um fenômeno psicológico. Além disso, ambos os autores são psicólogos e reconhecidos internacionalmente por suas contribuições teóricas e empíricas para o campo de estresse psicológico e coping (O'Driscoll, 2013).

Possivelmente, como reflexo da concentração de pesquisadores oriundos da psicologia, os periódicos de publicação dos estudos concentram-se nesta área de conhecimento (n = 11; 61%), seguidos da área da enfermagem (n = 5, 28%), administração (n = 1; 5,5%) e educação física (n = 1; 5,5%). Com relação às categorias profissionais investigadas, os profissionais de saúde são os mais estudados (n = 8; 44%), mas o coping é pesquisado em uma variedade de trabalhadores, incluindo cargos administrativos (n = 3, 17%), professores (n = 3; 17%), profissionais de tecnologia da informação (TI) (n = 2; 11%), atletas (n = 1; 5%) e pilotos de caça (n = 1; 5%). Isso evidencia preocupação em investigar as estratégias de enfrentamento em profissionais cujas características do trabalho os tornam mais vulneráveis ao estresse laboral (Hypolito & Grishcke, 2013).

Análise metodológica dos estudos

A análise evidencia que a totalidade dos estudos restringiu-se à avaliação de amostras não probabilísticas, sem possibilidade de generalização de seus resultados. Pode-se pensar que a investigação do coping seja ainda influenciada por características próprias de a sua origem estar centrada no campo da psicologia, área que focaliza o conhecimento da subjetividade do comportamento e a metodologia qualitativa (Paulin & Luzio, 2009). Ademais, observa-se que é recente a aproximação da psicologia à saúde pública, na qual se prioriza a investigação dos fenômenos epidemiológicos, de prevalência, fatores de risco, com método sustentado por mensurações e inferências estatísticas (Turato, 2005) com o intuito de transpor os resultados para a população investigada.

O instrumento mais utilizado para avaliação do coping em trabalhadores é o Inventário de Estratégias de Coping, de Lazarus e Folkman (1984) (n = 8; 44%), seguido pela Escala de Coping Ocupacional, de Latack (1986) (n = 4; 22%). Observou-se a presença de outros instrumentos de avaliação como a Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP), de Seidl, Troccoli, e Zannon (2001); Inventário de Respostas de Coping no trabalho (IRC-T) - tradução e adaptação validada para o contexto laboral do Coping Responses Inventory, de Shaefer e Moss (1998); Escala de Coping no Trabalho (COPE), de Carver, Sheier e Weintraub (1989); Versão Abreviada do Inventário do Pensamento Construtivo (CTI-S), de Epstein e Meier (1989); e Inventário Atlético das Estratégias de Coping, de Smith, Schutz, Smoll e Ptacek (1995).

Se, por um lado, os pesquisadores têm a seu dispor uma grande variedade de instrumentos para avaliar coping em trabalhadores, por outro, essa mesma heterogeneidade de escalas pode ocasionar riscos na medida em que se estuda um mesmo constructo por meio de diferentes definições. Além disso, os instrumentos avaliam as estratégias de enfrentamento dos trabalhadores com grau de profundidade bastante variado, critério de escolha que precisa ser cuidadosamente definido. Enquanto o Inventário de Coping no Trabalho, de Shaefer e Moss (1998), agrupa as estratégias de coping em apenas dois tipos de resultados: enfrentamento e evitação, a Escala de Coping no Trabalho, de Carver et al. (1989), compreende o uso de estratégias de enfrentamento por meio do mapeamento de 15 fatores detalhadamente descritos, o que permite uma análise mais abrangente sobre as diversas possibilidades de comportamentos para lidar com estressores ocupacionais.

Entre os estudos de associação, o coping é, em sua maioria, relacionado com o estresse (n = 4; 22%), seguido da síndrome de burnout (n = 3; 17%), personalidade e bem-estar no trabalho (cada um com um artigo; 5%). Nos estudos sobre estresse, o constructo tem sido objeto de grande interesse, especialmente em como o uso de determinadas estratégias pode ter uma influência importante no bem-estar do indivíduo (O'Driscoll, 2013).

Quanto aos resultados obtidos nos estudos, observou-se a predominância de estudos analíticos (n = 9; 50%), seguidos de estudos descritivos (n = 6; 33%) e de intervenção (n = 3; 17%). A escassez de estudos de intervenção reforça o distanciamento entre teoria e prática (Briner, 2012), limitando a aplicabilidade do conhecimento acadêmico para a promoção de qualidade de vida no trabalho.

Principais resultados dos estudos

Tendo em vista a variedade de inventários utilizados para avaliação de coping em trabalhadores nas pesquisas avaliadas nesta revisão, optou-se pela análise dos principais resultados encontrados nos estudos a partir do modelo de Folkman e Lazarus (1980), considerando ser destes autores o instrumento mais utilizado.

A análise dos artigos que associaram estresse com coping (n = 4; 22%) permitiu observar que os trabalhadores com maior indicação de estresse fazem mais uso de estratégias como fuga-esquiva, afastamento e confronto. Em relação à associação de coping com a síndrome de burnout (n = 2; 11%), o resultado dos estudos aponta que, quanto mais altos os níveis de burnout, menor é a frequência de utilização de estratégias como resolução de problemas e controle, e maior a utilização de fuga-esquiva. Assim, pode-se pensar que, quanto maior a capacidade do profissional em focar na reavaliação cognitiva dos estressores laborais, maior a eficácia em lidar com os problemas do seu cotidiano profissional e com as situações adversas, assim, tornando-se menos vulnerável a adoecimentos.

Entre os estudos que objetivaram investigar quais as estratégias mais utilizadas por trabalhadores, todos apontaram a estratégia de resolução de problemas como a mais utilizada e 55% deles apontaram a estratégia de confronto como a menos utilizada, seguida de afastamento (33%) e aceitação de responsabilidade (22%). A estratégia de resolução de problemas pressupõe um planejamento adequado para lidar com os estressores, em que, ao invés de anular ou afastar a situação estressante de seu cotidiano, o indivíduo opta por resolver seu problema, modificar suas atitudes, desse modo, sendo capaz de lidar com as pressões das pessoas e do ambiente ao seu redor, com isso, diminuindo ou eliminando a fonte geradora de estresse (Damião, Rossato, Fabri, & Dias, 2009).

Alguns estudos revelaram diferenças entre homens e mulheres no que se refere às estratégias de enfrentamento (n = 4; 22%). Seus achados apontam que homens utilizam mais estratégias de enfrentamento ativo, planejamento e concentração, enquanto que as mulheres fazem uso de estratégias de suporte social e emocional e retorno à religiosidade. Outros estudos que realizaram esta mesma análise identificaram que homens adultos usam formas de enfrentamento mais diretas e focalizadas no problema ou mesmo de evitação, enquanto que as mulheres assumem uma postura fundamentada na emoção ou tentam resolver o estressor de forma aproximativa (Câmara & Carlotto, 2007). Esse fato pode ser entendido à luz dos processos de socialização entre homens e mulheres (Frydenberg, 1997; Piko, 2001), pelo qual os homens tendem a ser mais objetivos, autoritários, produtivos, competitivos e racionais em seu ambiente de trabalho, separando a vida privada da pública (Caetano & Neves, 2009), ao passo que mulheres possuem maior rede de apoio social e recursos para se proteger de estressores emocionais e interpessoais gerados pelo trabalho (Barros, 2008; Hermida & Stefani, 2011).

Em relação aos estudos com intervenção (n = 3; 17%), observou-se que houve alteração na estratégia de enfrentamento utilizada pelos envolvidos antes e depois. Todos obtiveram em seus resultados aumento no uso de estratégias de enfrentamento focadas no problema, tais como controle e resolução de problemas. Isso indica que as intervenções são importantes para que os indivíduos possam desenvolver habilidades de enfrentamento eficazes de acordo com cada circunstância vivenciada. Tão importante quanto à escolha da estratégia, o que determina a sua efetividade é que o trabalhador tenha domínio sobre a situação estressora (Demorouti, 2014).

 

Considerações finais

Esta revisão sistemática permitiu traçar um panorama dos estudos brasileiros que, nos últimos cinco anos, investigaram sobre estratégias de enfrentamento (coping) utilizadas por trabalhadores. Levando-se em conta o descarte de artigos que se repetiram ou não preencheram os critérios de inclusão estabelecidos, pode-se afirmar que o número de artigos identificados, que constituíram a amostra final deste estudo, serve como ilustração da produção científica brasileira sobre o coping em trabalhadores, sendo, portanto, um recorte que permitiu entender o tema pesquisado e mapear oportunidades para futuras investigações.

A partir das análises feitas, foi possível identificar lacunas metodológicas a serem preenchidas na produção de conhecimento sobre coping. Detectou-se espaço para a produção de estudos de delineamento experimental, os quais permitem a coleta de evidências para avaliação das relações de causa e efeito dos fenômenos (Breakwell & Rose, 2010; Davis & Bremner, 2010) e longitudinais que possibilitam compreender a natureza dinâmica dos processos e relacionamentos entre variáveis (Taris & Kompier 2014). Considerando o elevado número de estudos qualitativos, sugere-se a realização de estudo de metassíntese que possa dar conta do conhecimento acumulado por meio desse método (Denzin & Lincoln, 2000).

Embora os estudos analíticos apresentem vantagens em relação a custo e agilidade, os de intervenção permitem a avaliação das mudanças e avanços de certos temas de estudos ao longo do tempo (Francisco, Donalisio, Barros, Cesar, Carandina, & Goldbaum, 2008; Mota, 2010). Como a estratégia de resolução de problemas mostrou-se eficaz na redução dos estressores ocupacionais, é possível pensar em intervenções direcionadas ao desenvolvimento desta habilidade, podendo ser colocada em prática, no mundo do trabalho, através de treinamentos e capacitações. Além disso, é importante dar seguimento a novos estudos no Brasil, a partir de amostras probabilísticas em contextos ocupacionais, a fim de ampliar a compreensão sobre coping em trabalhadores, dessa maneira, ampliando as categorias profissionais investigadas.

A análise das estratégias de enfrentamento em diferentes categorias profissionais pode oferecer informações importantes para auxiliar no desenvolvimento das políticas públicas em saúde do trabalhador, assim como para prevenção e desenvolvimento de programas de promoção de saúde ocupacional.

 

Referências

Antoniazzi, A. S., Dell´Aglio, D. D., & Bandeira, D. R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3(2), 273-294. https://doi.org/10.1590/S1413-294X1998000200006.

Barros, A. M. (2008). Cidadania, relações de gênero e relações de trabalho. Revista do Tribunal Regional do Trabalho, 47(77):67-83. .

Braun, A. C., & Carlotto, M. S. (2013). Síndrome de Burnout em professores de ensino especial. Barbarói, (39), 53-69.

Breakwell, G. M., & Rose, D. (2010). Teoria método e delineamento de pesquisa. In G. M. Breakwell, C. Fife-Shaw, S. Hammond. A., & J Smith (Orgs.), Métodos de pesquisa em psicologia (pp. 238-259). Porto Alegre: Artmed.

Briner, R. B. (2012). Evidence-based practice and occupational health psychology. In J. Houdmont, S. Leka & R. Sinclair (Eds.), Contemporary occupational health psychology: global perspectives on research and practice (pp.36-56). Chichester: Wiley-Blackwell.

Caetano, E., & Neves, C. E. (2009). Relações de gênero e precarização do trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, 9(33e): 251-263. https://doi.org/10.20396/rho.v9i33e.8639539

Câmara, S. G., & Carlotto, M. S. (2007). Coping e gênero em adolescentes. Psicologia em Estudo, 12(1), 87-93. https://doi.org/10.1590/S1413-73722007000100011

Campos, C. R., & Nakano, T. C. (2012). Produção científica sobre avaliação da inteligência: O estado da arte. Interação em Psicologia, 16(2), 271-282. https://doi.org/10.5380/psi.v16i2.22619

Carlotto, M. S. (2011). Tecnoestresse: Diferenças entre homens e mulheres. Psicologia: Organizações e Trabalho, 11(2), 51-64.

Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2010). Tecnostress of workers on information and communication technologies. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 308-317. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000200007

Carver, C. S., Sheir, M. F., & Weintraub, B. (1989). Assessing coping strategies: a theoretically based approach. Journal of Personality and Social Psychology, 56(2), 267-283.

Damião, E. B. C., Rossato, L. M., Fabri, L. R. O., & Dias, V. C. (2009). Inventário de estratégias de enfrentamento: um referencial teórico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43(2), 1199-1203. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000600009

Davis, A. & Bremner, G. (2010). O método experimental em psicologia. In G. M. Breakwell, C. Fife-Shaw, S. Hammond. A., & J Smith (Orgs.), Métodos de pesquisa em psicologia (pp. 238-259). Porto Alegre: Artmed.

De-la-Torre-Ugarte-Guanilo, M. C., Takahashi, R. F., & Bertolozzi, M. R. (2011). Revisão sistemática: Noções gerais. Revista da Escola de Enfermagem-USP, 45(5), 1260-1266. doi: 10.1590/S0080-62342011000500033

Demorouti, E. (2014). Individual strategies to prevent burnout. In M. P. Leiter, A. B. Bakker, & C. Maslach (Orgs.), Burnout at work: A psychological perspective (pp. 32-55). New York: Psychology Press.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2000). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Epstein, S., & Meier, P. (1989). Constructive thinking: A broad coping variable with specific components. Journal of Personality and Social Psychology, 57(2), 332-350. https://doi.org/10.1037/0022-3514.57.2.332

Fernandes, S. R. P. & Vasques-Menezes, I. (2012). Organizações do trabalho: Implicações para a saúde do trabalhador. In M. C. Ferreira, & H. Mendonça (Orgs.), Saúde e bem-estar no trabalho: Dimensões individuais e culturais (pp. 261-275). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Folkman, S. (1984). Personal control, stress and coping processes: A theoretical analysis. Journal of Personality and Social Psychology, 46(4), 839-852. https://doi.org/10.1037/0022-3514.46.4.839

Folkman, S., & Lazarus, R. S. (1980). An analysis of coping in a middle-aged community sample. Journal of Health and Social Behavior, 21(3), 219-239.

Folkman, S., & Lazarus, R. S. (1985). If it changes, it must be a process: A study of emotion and coping during three stages of a college examination. Journal of Personality and Social Psychology, 48(1), 150-170. https://doi.org/10.1037/0022-3514.48.1.150

Fontes, A. P., Neri, A. L., & Yassuda, M. S. (2010). Enfrentamento de estresse no trabalho: Relações entre idade, experiência, autoeficácia e agência. Psicologia, Ciência e Profissão, 30(3), 620-633. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000300013

Francisco, P. M. S. B., Donalisio, M. R., Barros, M. B. D. A., Cesar, C. L. G., Carandina, L., & Goldbaum, M. (2008). Medidas de associação em estudo transversal com delineamento complexo: Razão de chances e razão de prevalência. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(3), 347-55. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000300002

Frydenberg, E. (1997). Adolescent coping: Theoritical and research perspectives. New York: Routledge.

Griep, R. H., Rotenberg, L., Landsbergis, P., & Vasconcellos-Silva, P. R. (2011). Uso combinado de modelos de estresse no trabalho e a saúde auto-referida na enfermagem. Revista de Saúde Pública, 45(1), 145-52. https://doi.org/10.1590/S0034-89102011000100017

Guido, L. A., Linch, G. F. C., Pitthan, L. O., & Umann, J. (2011). Estresse, coping e estado de saúde entre enfermeiros hospitalares. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(6), 1434-1439. https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000600022

Guido, L. A., Silva, R. M., Goulart, C. T., Kleinübing, R. E., & Umann, J. (2012). Estresse e coping entre enfermeiros de unidade cirúrgica de hospital universitário. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 13(2), 428-436. https://doi.org/10.15253/rev%20rene.v13i2.3949

Guido, L. A., Umann, J.; Stekel, L. M. C., Linch, G. F. C., Silva, R. M. S., & Lopes, L. F. D. (2009). Estresse, coping e estado de saúde de enfermeiros de clínica médica em um hospital universitário. Ciência, Cuidado e Saúde, 8(4), 615-621. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v8i4.9690

Hermida, P., & Stefani, D. (2011). La jubilación como un factor de estrés psicosocial. Un análisis de los trabajos científicos de las últimas décadas. Perspectiva en Psicologia, 8(1): 101-107.

Hypolito, A. M. & Grishcke, P. E. (2013). Trabalho imaterial e trabalho docente. Educação Santa Maria, 38(2), 507-522. https://doi.org/10.5902/198464448998

Kleinubing, R. E., Goulart, C. T., Silva, R. M., Umann, J., & Guido, L. A. (2013). Estresse e coping em enfermeiros de terapia intensiva adulto e cardiológica. Revista de Enfermagem da UFSM, 3(2), 335-344. https://doi.org/10.5902/217976928924

Kurebayashi, L. F. S., Gnatta, J. R., Borges, T. P., & Silva, M. J. P. (2012). Aplicabilidade da auriculoterapia para reduzir estresse e como estratégia de coping em profissionais de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(5), 980-987. https://doi.org/10.1590/S0104-11692012000500021

Latack, C. J. (1986). Coping with job stress: Measures and future directions for scale development. Journal of Applied Psychology, 71(3), 377-385. https://doi.org/10.1037/0021-9010.71.3.377

Lazarus, R. S., & Folkman S. (1984). Estresse, appraisal, and coping. New York: Springer.

Mota, M. M. P. E. (2010). Metodologia de pesquisa em desenvolvimento humano: Velhas questões revisitadas. Psicologia em Pesquisa, 4(2), 144-149.

Murta, S. G., & Tróccoli, B. T. (2009). Intervenções psicoeducativas para manejo de estresse ocupacional: um estudo comparativo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 11(1), 25-42.

Murta, S. G., & Tróccoli, B. T. (2007). Stress ocupacional em bombeiros: efeitos de intervenção baseada em avaliação de necessidades. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(1), 41-51. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000100005

Negromonte, M. R. O., & Araujo, T. C. C. F. (2011). Impacto do manejo clínico da dor: avaliação de estresse e enfrentamento entre profissionais de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(2), 238-244. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000200003

O'Driscoll, M. P. (2013). Coping with stress: A challenge for theory, research and practice. Stress and Health, 29(2), 89-90. https://doi.org/10.1002/smi.2489

Paulin, T., & Luzio, C. A. (2009). A Psicologia na saúde pública: Desafios para a atuação e formação profissional. Revista de Psicologia da UNESP, 8(2), 98-109.

Peçanha, D. R., & Campana, D. P. (2010). Avaliação quali-quantitativa de intervenção com yoga na promoção da qualidade de vida em uma universidade. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 78(1), p. 199-218.

Piko, B. (2001). Gender differences and similarities in adolescents' ways of coping. The Psychological Record, 51(2), 223-235. https://doi.org/10.1007/BF03395396

Pocinho, M., & Perestrelo, C. X. (2011). Um ensaio sobre burnout, engagement e estratégias de coping na profissão docente. Educação e Pesquisa, 37(3), 513-528. https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000300005

Prati, G., Pietrantoni, L., & Cicognani, E. (2011). Coping strategies and collective efficacy as mediators between stress appraisal and quality of life among rescue workers. International Journal of Stress Management, 18(2), 181-195. https://doi.org/10.1037/a0021298

Puente, C. P., Gutiérrez, L. D., Pueyo, E. G., & López, R. V. (2000). Estrategias de afrontamiento ante situaciones de estrés: Un análisis comparativo entre bomberos con y sin experiência. Revista de Psicología del Trabajo y de las Organizaciones, 16(3), 341-356.

Rampelotto, C. M., & Abaid, J. L. W. (2011). Estratégias de coping utilizadas por pilotos de caça. Barbarói, 35, 30-42.

Rocha Sobrinho, F., & Porto, J. B. (2012). Bem-estar no trabalho: Um estudo sobre suas relações com clima social, coping e variáveis demográficas. Revista de Administração Contemporânea, 16(2): 253-270. https://doi.org/10.1590/S1415-65552012000200006

Rodrigues, A. B., & Chaves, E. C. (2008). Fatores estressantes e estratégias de coping dos enfermeiros atuantes em oncologia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16(1):1-5. https://doi.org/10.1590/S0104-11692008000100004

Santos, A. F. O., & Cardoso, C. L. (2010). Profissionais de saúde mental: Estresse, enfrentamento e qualidade de vida. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 543-548. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000300017

Seidl, E. M. F., Troccoli, B. T., & Zannon, C. M. L. C. (2001). Análise fatorial de uma medida de estratégia de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(3), p. 225-34. https://doi.org/10.1590/S0102-37722001000300004

Severino, S., Rabelo, E. N., & Campos, R. P. (2013). Estresse ocupacional e estratégias de enfrentamento entre profissionais de tecnologia da informação. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 238-254.

Schaefer, J. A., & Moos, R. H. (1998). The context for posttraumatic growth: life crises, individual and social resources, and coping. In R. G. Tedeschi, C. L. Park, & L. G. Calhoun (Eds.), Posttraumatic growth: positive changes in the aftermath of crisis (pp. 99-125). Mahwah, NJ: Erlbaum.

Smith, R. E., Schutz, R. W., Smoll, F. L., & Ptacek, J. T. (1995). Development and validation of a multidimensional measure of sport-specific psychological skills: The Athletic Coping Skills Inventory-28. J Sport Exerc Psychol., 17(4):379-98. https://doi.org/10.1123/jsep.17.4.379

Sousa, I. F., Mendonça, H., Zanini, D. S., & Nazareno, E. (2009). Estresse ocupacional, coping e burnout. Estudos Goiânia, 36(1), 57-74. https://doi.org/10.18224/est.v36i1.1018

Sousa, J. R. (2011). Associações da personalidade, enfrentamento e suporte social com o estado nutricional. Psicologia, Saúde e Doenças, 12(2), 183-196.

Souza, M. D. C., Guimarães, A. C. D. A., & Araujo, C. D. C. R. D. (2013). Estresse no Trabalho em Professores Universitários. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 11(35): 1-8.

Tamayo, M. R., Mendonça, H., & Silva, E. N. (2012). Relação entre estresse ocupacional, coping e burnout. In M. C. Ferreira, & H. Mendonça (Orgs.), Saúde e bem-estar no trabalho: Dimensões individuais e culturais (pp. 35-61). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Taris, T. W., & Kompier, M. (2014). Cause and effect: Optimizing the designs of longitudinal studies in occupational health psychology. Work & Stress: An International Journal of Work, Health & Organisations, 28(1): 1-8. https://doi.org/10.1080/02678373.2014.878494

Telles, S. H., & Pimenta, A. M. C. (2009). Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde e estratégias de enfrentamento. Saúde & Sociedade São Paulo, 18(3), 467-478. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000300011

Tonetto, A. M., Amazarray, M. R., Koller, S. H., & Gomes, W. B. (2008). Psicologia organizacional e do trabalho no Brasil: Desenvolvimento científica contemporâneo. Psicologia & Sociedade, 20(2), 165-173. https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000200003

Turato, E. R. (2005). Métodos quantitativos e qualitativos na área da saúde: Definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Revista de Saúde Pública, 39(3), 507-514. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000300025.

Vaillant, G. E. (1994). Ego mechanisms of defense and personality psychopathology. Journal of Abnormal Psychology, 103(1), 44-50.

Vieira, L. F., Carruzo, N. M., Aizava, P. V. S., & Rigoni, P. A. G. (2013). Análise da síndrome de "burnout" e das estratégias de "coping" em atletas brasileiros de vôlei de praia. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 27(2): 269-76. https://doi.org/10.1590/S1807-55092013005000012

Zaffari, N. T., Peres, V. L., Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2009). Síndrome de Burnout e estratégias de coping em professores: diferença entre gêneros. Psicologia IESB, 1(2), 1-12.

 

 

Endereço para correspondência:
Lúcia Petrucci de Melo
lulucitamelo@hotmail.com

Mary Sandra Carlotto
mscarlotto@gmail.com

Sandra Yvonne Spiendler Rodriguez
psicologa07@gmail.com

Liciane Diehl
licidiehl@gmail.com

Submetido em: 18/08/2014
Revisto em: 12/10/2016
Aceito em: 04/12/2016

Creative Commons License